C-Level: jovialidade ou maturidade? Por Ricardo Haag

23/06/2023 09:50

(0) (0) (0) (0) Visualizações: 6382

O que é mais importante no perfil daqueles que irão comandar uma empresa: sua jovialidade ou experiência adquirida ao longo de sua trajetória profissional? Essa é uma das dúvidas mais inquietantes em diversos empreendimentos, na busca em encontrar o melhor talento para alavancar os resultados.

Apesar de ambos os fatores poderem pesar – e muito – nessa escolha de quem contratar para assumir algum cargo C-Level, existem muitas outras características e comportamentos bem mais importantes de serem levados em consideração neste processo seletivo, as quais poderão ser decisivas para a conquista dos objetivos desejados.

As posições de C-Level são de extrema importância para assegurar o sucesso da organização, sendo responsáveis por conectar os objetivos corporativos ao bom desempenho e felicidade dos times. Segundo dados divulgados pela consultoria americana Signium, como exemplo, houve um crescimento de 62% no volume de contratações C-Level no primeiro semestre de 2022 – em resposta, principalmente, à urgência em adotar estratégias disruptivas de retomada econômica das empresas no pós-pandemia.

Mas, apesar da busca intensa, muitas dúvidas e desentendimentos se tornaram comuns no processo seletivo destes profissionais e em sua adaptação na empresa. Há quem diga, por exemplo, que estes executivos seniores devem ter uma ampla experiência em sua área, tendo adquirido a expertise necessária para analisar os pontos fortes e fracos do negócio para conduzi-lo rumo à prosperidade. Outros, por sua vez, prezam por profissionais mais jovens e com a “mente mais fresca”, cheios de ideias brilhantes para implementar inovações internamente.

As discussões sobre esse perfil são tamanhas que, de acordo com outro estudo feito pela Infojobs, cerca de 57% dos profissionais já passaram por algum episódio de preconceito devido à sua idade. Deles, 55% fazem parte da geração X, a que costuma representar boa parte daqueles que assumem o posto de C-Level. Esse é um cenário muito presente no mercado que, na verdade, ressalta apenas um pré-conceito não determinante no que realmente faz a diferença no perfil de um bom executivo.

Ter mais idade não é sinônimo de estar melhor preparado para gerenciar uma companhia com êxito. Em um levantamento feito pela Distrito, foi identificado que a média de idade dos CEOs das principais startups no Brasil é de 39,5 anos. Ao longo de 2022, essas empresas captaram US$ 4,45 bilhões, quantia 23,96% maior que em 2020, em uma expansão que permanece atraindo investidores mundiais em vista do enorme potencial de sucesso destes negócios.

Diante de um mercado que está sempre mudando, o que definirá a capacidade de um profissional em assumir um cargo de tamanha relevância será sua postura em relação a esse aprendizado contínuo e outras escolhas pessoais em seu cotidiano que influenciem neste bom desempenho – tais como a manutenção de exercícios físicos frequentes, uma alimentação mais saudável, e outras ações que promovam uma maior qualidade de vida.

Na prática, devemos buscar o maior equilíbrio possível ao contratar um C-Level, considerando não apenas a bagagem adquirida ao longo de sua carreira, como também suas escolhas em âmbito pessoal e profissional, no que tange uma rotina de vida mais saudável e sua não defasagem em termos de estudo. Afinal, o mercado muda a todo o momento, e é indiscutível a importância de se manter constantemente atualizado sobre as melhores práticas, sistemas e métodos lançados em seu respectivo segmento.

Ao invés da jovialidade ou maturidade meramente, a capacidade de adaptação destes talentos frente às atualizações do setor é o novo fio condutor a ser relembrado nestes processos seletivos. Todas, características essenciais que, quando devidamente equilibradas, se reverterão em energia vital no trabalho, em dedicação e aprimoramento destes profissionais para a conquista de resultados cada vez melhores para a empresa.

Ricardo Haag é sócio da Wide, consultoria boutique de recrutamento e seleção.

 

Sobre a Wide:

https://wide.works/

Com mais de 30 anos somados de recrutamento especializado e mais de 20 mil entrevistas realizadas, o propósito da Wide, empresa de recrutamento e seleção de alta gerência, é construir legados, seja o das empresas contratantes, o dos candidatos e o seu próprio.

Fonte: Assessoria com Redação TN

Fale Conosco

Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies.

20