acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Sinopec compra petrolífera na Argentina por 2,45 mil milhões de dólares

10/12/2010 | 09h26
O Grupo Sinopec comprou a Occidental Petroleum, que explora ativos de petróleo e gás natural na Argentina. A China Petrochemical, que é a maior refinadora da Ásia e também é do Grupo Sinopec, anunciou hoje em comunicado que chegou a acordo para comprar a petrolífera sul-americana.


A aquisição de 2,45 mil milhões de dólares (1,85 mil milhões de euros) faz parte do esforço de resposta às necessidades energéticas da economia em maior crescimento e a sgunda que mais petróleo consome no mundo.


“As empresas chinesas estão interessadas em comprar activos energéticos em países em desenvolvimento como a Argentina, porque estes são vistos como tendo menos concorrência das grandes petrolíferas”, disse o analista do UOB-Kay Hian, Shi Yan, à Bloomberg. “Temos visto um grande interesse na América Latina das companhias chinesas recentemente”.


Com esta aquisição os investimentos em fusões e aquisições por petrolíferas asiáticas saldam-se em 38,8 mil milhões de dólares este ano, segundo a Bloomberg. Petrolíferas chinesas como a Sinopec e a Cnooc tinham investido já 13 mil milhões de dólares no sector na América do Sul.


“Este negócio parece um pouco dispendioso” disse Shi Yan. “Estão a pagar cerca de 6,20 dólares por barril, mas parece que em parte é por reservas [cuja existência] ainda não foi ainda provada. A Cnooc pagou recentemente 9,10 dólares por barril, mas isso foi por reservas provadas”, concluiu.


Já o analista Neil Beveridge, do Bernstein Research, diz que a companhia chinesa pode ter pago 6,90 dólares por barril pelas reservas.


Com esta aquisição a companhia chinesa ganha acesso a campos petrolíferos que permitiram à Occidental extrair petróleo equivalente a 51 mil barris por dia. Uma quantidade que corresponde a 1% do consumo diário de petróleo na China.


Fonte: Redação/ Agências
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar