acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Rússia quer criar gigante de fertilizantes

09/08/2010 | 09h10
A Rússia deverá dar nesta semana o primeiro passo para se tornar um gigante mundial de fertilizantes, criando a primeira grande empresa nacional desde a consolidação do setor energético do país, em meados dos anos 2000.
 

Suleiman Kerimov, oligarga próximo ao Kremlin, deverá assumir o controle da Silvinit, o maior produtor de potássio da Rússia, para, então, fazer a fusão com a Uralkali, outro grande produtor do metal. Kerimov adquiriu recentemente o controle da Uralkali, que é listada na bolsa de Londres.
 

Segundo o banco de investimentos russo Troika Dialog, a fusão Silvinit-Uralkali tornaria a nova empresa a segunda maior do mundo em potássio, atrás da canadense Potash Corporation, com valor de mercado de US$ 20 bilhões e capacidade de produção anual de 11,5 milhões de toneladas.
 

O envolvimento do Kremlin reflete o interesse renovado do governo em assumir parte das maiores minas de potássio e fosfato do mundo, na medida em que os preços se recuperam depois da queda registrada no ano passado.
 

A brasileira Vale adquiriu ativos em fertilizantes por quase US$ 5 bilhões, enquanto a BHP Billiton comprou a Athabasca Potash, do Canadá, por US$ 323 milhões.
 

Fontes familiarizadas com a aquisição do controle da Silvinit afirmaram que o negócio poderia ocorrer ainda esta semana. Kerimov, que também é deputado na Rússia, deseja adquirir mais 30% da companhia, totalizando 52,4% das ações. Segundo fontes, o negócio seria feito por um consórcio de compradores - de forma que a fusão não necessitasse da aprovação do serviço antimonopólio russo.
 

O apetite de Kerimov não terminaria por aí. O oligarga do setor de metais estaria negociando também com a Belaruskali, o terceiro maior produtor de potássio do mundo, e com a Phosagro, a maior empresa de fosfato russa. Tudo isso ocorreria com total apoio do Kremlin.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar