acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Reserva argentina de xisto pode valer até meio pré-sal

10/02/2012 | 15h28
A Repsol YPF elevou sua estimativa do tamanho das reservas de petróleo e gás de xisto em Vaca Muerta, no sudoeste da Argentina. Segundo a empresa, provavelmente há ali o equivalente a 23 bilhões de barris, o que corresponderia a quase metade do pré-sal brasileiro (estimado em cerca de 50 bilhões de barris). Se confirmada, a reserva permitiria ao país rivalizar com os Estados Unidos na produção de gás e petróleo não convencional. Não está claro, porém, quando dessa reserva pode ser retirado.

Em novembro, a Repsol havia estimado a existência do equivalente a 927 milhões de barris. A empresa, porém, alertou que a exploração das reservas exigirá uma enorme expansão da indústria petrolífera da Argentina. Serão precisos milhares de poços, centenas de sondas de perfuração e um esforço nacional para atrair profissionais, equipamentos e investimentos para dar conta da produção. 

A Repsol hoje é a líder na exploração na Província de Neuquén, com investimentos aproximados de US$ 300 milhões. Segundo a Repsol, para a região atingir o seu potencial, as demais empresas que atuam ali teriam que fazer investimentos substanciais.

"Se a exploração for bem-sucedida em toda a formação de Vaca Muerta e houver o imediato desenvolvimento intensivo na área, a atual capacidade de produção de petróleo e gás da Argentina poderá dobrar em dez anos", disse a Repsol em comunicado. "Seria necessário fazer um vasto esforço de investimento, que chegaria a US$ 25 bilhões por ano."

Até agora, apenas uma pequena fração das reservas de Vaca Muerta foi desenvolvida. "A [Repsol] pretende perfurar 20 poços em 2012, sozinha e em conjunto com vários parceiros, para prosseguir a investigação dos potenciais recursos", afirmou a empresa na nota.

A declaração da Repsol ainda sugeriu que os investidores internacionais estão preferindo aguardar até ter confiança de que a Argentina, que enfrenta dificuldades energéticas, oferecerá garantias e que reivindicações trabalhistas não ameaçarão eventuais lucros. Nos últimos meses, o governo vem eliminando subsídios a combustíveis, enfrentou greves no setor petrolífero e está dificultando as remessas das empresas ao exterior.

Desde 1998, a produção de petróleo argentina caiu quase 32%. Já a de gás natural recuou em torno de 13% desde 2004, de acordo com dados da Secretaria de Energia do país. Para atender à demanda, a Argentina passou a importar gás liquefeito do Oriente Médio, o qual é transportado por navios. A importação de combustíveis pelo país dobrou em 2011, atingindo o nível recorde de US$ 9,4 bilhões.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar