acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Startups

Ranking da KPMG das startups de tecnologia, coloca as empresas de energia em segundo lugar

17/04/2019 | 14h06

Institucional

O setor de energia é a segunda indústria a ter o maior número de startups em tecnologia nessa área (51), segundo um relatório inédito realizado pela KPMG que mapeou as empresas brasileiras desse segmento ligadas à indústria 4.0. O estudo intitulado "Indústria 4.0 Mining Report" apontou 224 startups que foram subdividas em nove categorias. O levantamento feito pela LEAP, uma parceria da KPMG com a Distrito, mostrou que energia também ficou na segunda posição no ranking das que tiveram maior faturamento presumido (661 mil reais), atrás apenas das que trabalham com realidade virtual e aumentada (973 mil reais), automação (295 mil reais) e robótica e drones (234 mil reais).

Segundo a pesquisa, os critérios para seleção das startups foram atuação no ramo da indústria 4.0, ter listagem de clientes e parceiros, estar em estágio operacional e ter clientes ativos, desenvolver tecnologia proprietária e ter nacionalidade brasileira. As 224 selecionadas foram divididas em nove categorias: internet das coisas (IoT)/sensores/monitoramento (64); energia (51); big data e análise de dados (30); inteligência artificial/aprendizado de máquina (machine learning) (22); robótica e drones (18); logística (17); realidade virtual e realidade aumentada (9); automação (7); impressão 3D (6).

"Especificamente para indústria de petróleo e gás, o uso de tecnologias disruptivas, baseadas em tendências digitais, se dá não apenas pelo grande desafio de aumentar a eficiência operacional, com melhoria dos fatores de recuperação dos reservatórios e maior rentabilidade em relação ao preço de equilíbrio do barril, mas também pela melhoria de segurança contra fatores de risco a vida humana e meio ambiente. Responsável por 58% da matriz energética mundial e por um PIB brasileiro de 13%, um pequeno percentual da indústria petrolífera nacional utiliza apenas algumas tecnologias como simulação numérica, armazenamento na nuvem, geolocalização, sensores, internet das coisas, segurança cibernética, impressão 3D e visão computacional.Além disso, a realidade virtual e a umentada é diretamente aplicada à indústria de petróleo e gás sendo extremamente relevante para avaliação de reservatórios", analisa o sócio da área de Energia e Recursos Naturais da KPMG, Manuel Fernandes.

Sobre a pesquisa - Na primeira etapa de formulação foi feita uma pesquisa na base da Distrito Ventures - com mais de mil startups cadastradas -, aceleradoras, portais de notícia e dados abertos. Após construir uma listagem de mais de 400 startups, houve um processo de seleção ainda mais aguçado embasado na conceituação teórica juntamente com os serviços e tecnologias oferecidas pelas startups, que deveriam ser coerentes com a indústria.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar