acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Crise brasileira

Qualquer que seja a situação, o dirigente do Brasil tem que ter coragem para mudar

30/03/2016 | 12h29

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, afirmou que a situação política do Brasil precisa de uma solução rápida, democrática e dentro do estado de direito. Para o setor privado, não é mais possível continuar com o país da forma como está, com problemas éticos, de falta de credibilidade e de legitimidade, que tiram do cidadão um pouco do orgulho de ser brasileiro. “Se a presidente Dilma continuar e não fizer a reformas necessárias nós vamos continuar sangrando, o país quebrando, as empresas quebrando e os estados quebrando. Se quem entrar não tiver a coragem suficiente para fazer reformas, não vai adiantar”, avalia Robson Braga de Andrade.

Segundo o presidente da CNI, o Brasil está numa situação que qualquer que seja o próximo governante, ele tem que ter coragem para mudar, para aprovar as reformas da previdência, tributária e trabalhista. Ele explicou que a principal preocupação da CNI não é com o impeachment, mas com o que vai acontecer no dia seguinte à decisão.

EMPRESAS FECHANDO - “Nosso problema hoje é quanto tempo essa angústia vai levar? Essa sangria vai durar? A economia já acabou, as empresas estão fechando, estamos perdendo empregos e capacidade de produção. Retomar isso depois não vai ser fácil. Vamos imaginar que isso se resolva em 60 dias, mas 60 dias é um sacrifício enorme para as indústrias”, explicou Robson Braga de Andrade.

Enquanto a questão política não tem um desfecho, o setor privado brasileiro continuará trabalhando para construir projetos e propostas para o país sair da crise. E essas propostas serão tocadas com quem estiver no poder nos próximos meses. Há um entendimento do meio empresarial que o governo perdeu a força para dar continuidade às mudanças que o país deseja e até hoje não foram realizadas.

No entanto, se a presidente Dilma continuar no poder, diz Robson Braga de Andrade, o Congresso precisará dar condições para que ela possa fazer as reformas tão esperadas, para tomar medidas drásticas e duras e colocar o Brasil de volta na rota do crescimento sustentável.

 



Fonte: Agência CNI de Notícias/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar