acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Indústria Naval

Promef completa 10 anos com 14 embarcações em construção

03/09/2014 | 11h01
Promef completa 10 anos com 14 embarcações em construção
Divulgação Petrobras. Divulgação Petrobras.

 

O Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef) completa 10 anos este ano a todo vapor. 
Atualmente o programa conta com 14 navios em diferentes fases de construção, cinco deles no estágio de acabamento. Três comboios hidroviários, que serão utilizados para o transporte de etanol pela hidrovia Tietê-Paraná e fazem parte do Promef Hidrovias, estão em fase de testes.
O número de projetos encomendados e o volume de investimentos dão a dimensão do programa para a indústria naval brasileira. 
Até 2020, está prevista a entrega de 49 navios e 20 comboios hidroviários (cada um composto por um empurrador e quatro barcaças), com investimento de R$ 11,2 bilhões. O programa já possibilitou a construção de sete petroleiros, todos em operação. O primeiro a ser entregue foi o navio de produtos (embarcação utilizada para o transporte de derivados claros de petróleo, como gasolina, diesel e querosene de aviação) Celso Furtado, em novembro de 2011.
Desde então, outros seis foram lançados ao mar: três suezmax (embarcação com capacidade para transportar 1 milhão de barris de petróleo e que tem calado de 17 metros, permitindo a passagem pelo Canal de Suez, que liga o Mediterrâneo ao Mar Vermelho) - Dragão do Mar (abril/2014), Zumbi dos Palmares (maio/2013) e João Cândido (maio/2012) - , e os navios de produtos José Alencar (janeiro/2014), Rômulo Almeida (janeiro/2013) e Sérgio Buarque de Holanda (julho/2012).
Com os navios sendo construídos em estaleiros nacionais, o Promef, junto com as encomendas de plataformas e sondas, foi grande impulsionador da reconstrução da indústria naval brasileira, que enfrentou décadas de crise. Hoje a carteira de encomendas de petroleiros do Brasil é a terceira maior do mundo, enquanto a de navios em geral é a quarta do planeta. O setor, que chegou a ter menos de 2 mil operários na virada do século, hoje emprega diretamente aproximadamente 80 mil trabalhadores.
Com os sete navios em operação, o Promef atingiu dois de seus objetivos: a construção de navios no Brasil e um conteúdo nacional de pelo menos 65%, quantitativo estipulado para a primeira fase do programa, garantindo geração de emprego e renda no país. O terceiro pilar do programa - atingir competitividade internacional - é o atual foco. Para isso, a Transpetro criou o Sistema de Acompanhamento da Produção (SAP), que tem como função avaliar os processos produtivos dos estaleiros e sugerir alternativas para melhoria da produtividade.

O Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef) completa 10 anos este ano a todo vapor. Atualmente o programa conta com 14 navios em diferentes fases de construção, cinco deles no estágio de acabamento. Três comboios hidroviários, que serão utilizados para o transporte de etanol pela hidrovia Tietê-Paraná e fazem parte do Promef Hidrovias, estão em fase de testes.

O número de projetos encomendados e o volume de investimentos dão a dimensão do programa para a indústria naval brasileira. 

Até 2020, está prevista a entrega de 49 navios e 20 comboios hidroviários (cada um composto por um empurrador e quatro barcaças), com investimento de R$ 11,2 bilhões.

O programa já possibilitou a construção de sete petroleiros, todos em operação. O primeiro a ser entregue foi o navio de produtos (embarcação utilizada para o transporte de derivados claros de petróleo, como gasolina, diesel e querosene de aviação) Celso Furtado, em novembro de 2011.

Desde então, outros seis foram lançados ao mar: três suezmax (embarcação com capacidade para transportar 1 milhão de barris de petróleo e que tem calado de 17 metros, permitindo a passagem pelo Canal de Suez, que liga o Mediterrâneo ao Mar Vermelho) - Dragão do Mar (abril/2014), Zumbi dos Palmares (maio/2013) e João Cândido (maio/2012) - , e os navios de produtos José Alencar (janeiro/2014), Rômulo Almeida (janeiro/2013) e Sérgio Buarque de Holanda (julho/2012).

Com os navios sendo construídos em estaleiros nacionais, o Promef, junto com as encomendas de plataformas e sondas, foi grande impulsionador da reconstrução da indústria naval brasileira, que enfrentou décadas de crise. Hoje a carteira de encomendas de petroleiros do Brasil é a terceira maior do mundo, enquanto a de navios em geral é a quarta do planeta.

O setor, que chegou a ter menos de 2 mil operários na virada do século, hoje emprega diretamente aproximadamente 80 mil trabalhadores.

Com os sete navios em operação, o Promef atingiu dois de seus objetivos: a construção de navios no Brasil e um conteúdo nacional de pelo menos 65%, quantitativo estipulado para a primeira fase do programa, garantindo geração de emprego e renda no país.

O terceiro pilar do programa - atingir competitividade internacional - é o atual foco. Para isso, a Transpetro criou o Sistema de Acompanhamento da Produção (SAP), que tem como função avaliar os processos produtivos dos estaleiros e sugerir alternativas para melhoria da produtividade.



Fonte: Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar