acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gasolina/ Diesel

Petrobras tem menor defasagem ante combustíveis no exterior

22/08/2014 | 09h46

 

A defasagem do preço da gasolina e do diesel vendidos pela Petrobras no Brasil deve atingir, neste mês, seu menor patamar desde o ano passado, pelo menos, na comparação com os valores internacionais, seguindo uma queda nos preços do petróleo nos mercados globais.
As cotações do petróleo Brent, negociado na Europa, e as do WTI, nos Estados Unidos, tiveram queda de cerca de 10 dólares o barril desde junho, atingido mínimas de vários meses, o que pressiona os preços dos combustíveis no exterior, que não são controlados como ocorre no Brasil.
A situação deve trazer um alívio para a Petrobras, que tem amargado prejuízos na área de Abastecimento, segundo dados de um estudo da GO Associados divulgados nesta quinta-feira e de acordo com avaliação de especialistas.
A defasagem do preço da gasolina, ante o valor registrado na refinaria nos EUA, deve ficar em 11 por cento em agosto, abaixo da defasagem de 13 por cento em julho e dos 18 por cento de junho, segundo cálculos da GO.
Esse percentual para a gasolina é o menor registrado pela consultoria desde novembro do ano passado, quando houve o último reajuste do combustível no Brasil, de 4 por cento nas refinarias.
Já a diferença do preço do diesel, o combustível mais vendido pela Petrobras, deverá ficar em 4 por cento, de acordo com a GO, o menor nível desde os registros divulgados pela consultoria, que vão até agosto de 2013.
Em agosto do ano passado, a defasagem do diesel ante a cotação externa era de 22 por cento.
O diretor de pesquisa econômica da GO Associados, Fabio Silveira, comentou que, a despeito dos muitos problemas geopolíticos globais, o preço do barril de petróleo está cedendo devido às mudanças no cenário financeiro.
Ele destacou que os EUA estão sinalizando um aumento dos juros a partir do próximo ano e que outros países como Inglaterra e Japão, e até mesmo a União Europeia, podem fazer o mesmo.
“O petróleo é o maior mercado futuro. Se o juro sobe, o preço cai”, afirmou Silveira.
Silveira explicou que a queda do preço do barril de petróleo só não é mais acentuada porque os conflitos geopolíticos em locais como Iraque e Líbia carregam certo temor de interrupções de abastecimento.
Positivo para Petrobras
O cenário é positivo para os resultados da Petrobras no terceiro trimestre, segundo a avaliação do analista da Coinvalores Corretora, Bruno Piagentini.
A empresa amargou um aumento de 55 por cento no prejuízo na Área de Abastecimento no segundo trimestre, de 3,9 bilhões de reais, devido à política do controle de preços dos combustíveis que mantém a defasagem nos valores de venda da Petrobras ante o mercado externo.
Entretanto, Piagentini ponderou que as perdas da estatal com as importações permanecerão acentuadas. Isso porque, além dos preços permanecerem defasados, a Petrobras permanece exposta à volatilidade do preço do barril do petróleo.
“Ainda que exista possível maior folga no terceiro trimestre, o risco continua para o quarto trimestre e ele só vai ser amenizado de forma consistente quando a companhia tiver produção de derivados que faça frente a demanda”, disse Piagentini.
O analista da Coinvalores disse ainda que a variável câmbio pode se mostrar desfavorável para a Petrobras. Ele lembrou que hoje o Banco Central está atuando de forma a segurar a desvalorização do real.
“Mas existe uma expectativa de que essa atuação (do BC) perca força ao longo do segundo semestre e que esse câmbio volte a ficar em torno de 2,40 reais”, afirmou Piagentini.
Um dólar mais forte frente ao real encarece as importações.
O analista destacou que a queda do preço do barril do petróleo está associada ao aumento da produção de países como Líbia e Arábia Saudita.
Piagentini ressaltou ainda que o mercado aguarda um reajuste dos preços de combustíveis ainda para este ano e não acredita que uma melhora da defasagem possa impedir um reajuste, já que o preço do barril é muito volátil.
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse no início do mês à Reuters que em todos os anos houve correção nos preços da gasolina, e que o comportamento do governo é continuar com reajustes normais.
Procurada, a Petrobras não comentou o assunto imediatamente.

Esse percentual para a gasolina é o menor registrado pela consultoria desde novembro do ano passado, quando houve o último reajuste do combustível no Brasil, de 4 por cento nas refinarias.

Já a diferença do preço do diesel, o combustível mais vendido pela Petrobras, deverá ficar em 4 por cento, de acordo com a GO, o menor nível desde os registros divulgados pela consultoria, que vão até agosto de 2013.

Em agosto do ano passado, a defasagem do diesel ante a cotação externa era de 22 por cento.

O diretor de pesquisa econômica da GO Associados, Fabio Silveira, comentou que, a despeito dos muitos problemas geopolíticos globais, o preço do barril de petróleo está cedendo devido às mudanças no cenário financeiro.

Ele destacou que os EUA estão sinalizando um aumento dos juros a partir do próximo ano e que outros países como Inglaterra e Japão, e até mesmo a União Europeia, podem fazer o mesmo.

“O petróleo é o maior mercado futuro. Se o juro sobe, o preço cai”, afirmou Silveira.

Silveira explicou que a queda do preço do barril de petróleo só não é mais acentuada porque os conflitos geopolíticos em locais como Iraque e Líbia carregam certo temor de interrupções de abastecimento.

 

Positivo para Petrobras

O cenário é positivo para os resultados da Petrobras no terceiro trimestre, segundo a avaliação do analista da Coinvalores Corretora, Bruno Piagentini.

A empresa amargou um aumento de 55 por cento no prejuízo na Área de Abastecimento no segundo trimestre, de 3,9 bilhões de reais, devido à política do controle de preços dos combustíveis que mantém a defasagem nos valores de venda da Petrobras ante o mercado externo.

Entretanto, Piagentini ponderou que as perdas da estatal com as importações permanecerão acentuadas. Isso porque, além dos preços permanecerem defasados, a Petrobras permanece exposta à volatilidade do preço do barril do petróleo.

“Ainda que exista possível maior folga no terceiro trimestre, o risco continua para o quarto trimestre e ele só vai ser amenizado de forma consistente quando a companhia tiver produção de derivados que faça frente a demanda”, disse Piagentini.

O analista da Coinvalores disse ainda que a variável câmbio pode se mostrar desfavorável para a Petrobras. Ele lembrou que hoje o Banco Central está atuando de forma a segurar a desvalorização do real.

“Mas existe uma expectativa de que essa atuação (do BC) perca força ao longo do segundo semestre e que esse câmbio volte a ficar em torno de 2,40 reais”, afirmou Piagentini.

Um dólar mais forte frente ao real encarece as importações.

O analista destacou que a queda do preço do barril do petróleo está associada ao aumento da produção de países como Líbia e Arábia Saudita.

Piagentini ressaltou ainda que o mercado aguarda um reajuste dos preços de combustíveis ainda para este ano e não acredita que uma melhora da defasagem possa impedir um reajuste, já que o preço do barril é muito volátil.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse no início do mês à Reuters que em todos os anos houve correção nos preços da gasolina, e que o comportamento do governo é continuar com reajustes normais.

Procurada, a Petrobras não comentou o assunto imediatamente.

 



Fonte: Reuters
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar