acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Refinaria Abreu e Lima

Petrobras assina cinco grandes contratos para a construção da Abreu e Lima

03/12/2009 | 11h17
A Petrobras assinou ontem no Rio de Janeiro cinco grandes contratos para construção da Refinaria Abreu e Lima, em Suape. Eles somam R$ 8,9 bilhões, com previsão de gerar mais 12 mil empregos diretos nesta nova fase.

Esses contratos foram licitados no início de 2008, mas por causa de sobrepreço tiveram que ser renegociados. Assim foi possível economizar R$ 6,7 bilhões, mas o início de operação do empreendimento foi mais uma vez adiado. Agora, o prazo é abril de 2012, significando um ano e um mês de atraso em relação à última previsão.

O investimento global na Refinaria Abreu e Lima está estimado em R$ 23 bilhões. Segundo o diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, esse valor teria subido para R$ 30 bilhões não fossem as renegociações. "Para chegar a essa redução de valor, não vamos conseguir manter o cronograma original. A gente pretendia partir a unidade de destilação em março de 2011 e isso não vai ser possível. Não tem milagre. A intenção nossa é partir as unidades de destilação possivelmente em abril de 2012", afirmou em entrevista coletiva.

O maior contrato assinado ontem, de R$ 3,4 bilhões, será executado pelo Consórcio Camargo Corrêa-CNEC. Refere-se aos serviços de construção das unidades de coqueamento retardado (U-21 e U-22), incluindo subestações, casas de controle e as seções de tratamento cáustico regenerativo (U-26 e U-27). Já a implementação das unidades de hidrotratamento de diesel (U-31 e U-32) ficará a cargo do Consórcio CONEST-UHDT, formado pela Odebrecht e OAS. O valor deste contrato é de R$ 3,19 bilhões.

O terceiro contrato diz respeito à implantação das unidades de destilação atmosférica - UDA (U-11 e U-12), totalizando R$ 1,48 bilhão. Foi assinado com o Consórcio RNEST-CONEST, também constituído pela Odebrecht e OAS. A Petrobras explica que os três contratos incluem o fornecimento de materiais, fornecimento parcial de equipamentos, construção civil, montagem, eletromecânica, preservação, condicionamento, testes, pré-operação,partida (início das operações), assistência à operação, assistência técnica e treinamentos.

Além desses, também foi assinado o contrato para implantação dos dutos de recebimento e expedição de produtos da refinaria, compreendendo os serviços de análise de consistência do projeto básico, projeto executivo, fornecimeto de materiais e equipamentos, construção civil, instalações elétricas, montagem eletromecânica, preservação, condicionamento, testes, apoio à pré-operação e operação assistida. Quem levou foi o Consórcio Conduto-Egesa, no valor de R$ 649 milhões.

Por fim, o quinto contrato firmado ontem está relacionado aos serviços de infraestrutura civil. Compreende o sistema de drenagem pluvial limpo, pontilhões de concreto, arruamento e pavimentação, áreas de armazenagem e portarias. O serviço será executado pelo Consórcio Construcap-Progen, ao custo de R$ 120 milhões. As obras devem começar no início do ano que vem.

Fonte: Jornal do Commercio/PE

Fonte: Jornal do Commercio/PE
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar