acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Paquistão negocia compra de três usinas nucleares da China

21/01/2014 | 09h46

 

O governo do Paquistão estaria negociando com a China a aquisição de três grandes usinas de energia nuclear por cerca de US$ 13 bilhões, segundo autoridades paquistanesas, o que seria um duro golpe nos esforços internacionais para restringir o comércio de tecnologia nuclear.
O acordo se somaria a negociações feitas no ano passado para que a China construa duas usinas nucleares no porto de Karachi, no sul do país. Os reatores ajudariam a preencher a deficiência no fornecimento de eletricidade no Paquistão, além de cimentar uma aliança com a China visando neutralizar seu rival mútuo, a Índia.
Autoridades americanas expressaram preocupação com a possibilidade do acordo, que ignoraria as regras internacionais contra exportações de tecnologia nuclear a países como o Paquistão, que não assinaram o Tratado de Não Proliferação Nuclear.
As negociações “por mais três usinas” com a China continuam, teria dito o primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, em reunião de gabinete realizada neste mês, de acordo com autoridades presentes. Até então, as discussões sobre as plantas adicionais não haviam se tornado públicas.
Segundo as autoridades, os três reatores chineses provavelmente serão instalados em Muzaffargarh, na província de Punjab, no centro do Paquistão.

O governo do Paquistão estaria negociando com a China a aquisição de três grandes usinas de energia nuclear por cerca de US$ 13 bilhões, segundo autoridades paquistanesas, o que seria um duro golpe nos esforços internacionais para restringir o comércio de tecnologia nuclear.

O acordo se somaria a negociações feitas no ano passado para que a China construa duas usinas nucleares no porto de Karachi, no sul do país. Os reatores ajudariam a preencher a deficiência no fornecimento de eletricidade no Paquistão, além de cimentar uma aliança com a China visando neutralizar seu rival mútuo, a Índia.

Autoridades americanas expressaram preocupação com a possibilidade do acordo, que ignoraria as regras internacionais contra exportações de tecnologia nuclear a países como o Paquistão, que não assinaram o Tratado de Não Proliferação Nuclear.

As negociações “por mais três usinas” com a China continuam, teria dito o primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, em reunião de gabinete realizada neste mês, de acordo com autoridades presentes. Até então, as discussões sobre as plantas adicionais não haviam se tornado públicas.

Segundo as autoridades, os três reatores chineses provavelmente serão instalados em Muzaffargarh, na província de Punjab, no centro do Paquistão.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar