acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Análise

O que esperar para o mercado de petróleo nesta semana

07/01/2019 | 15h31

Na próxima semana, os investidores do petróleo continuarão monitorando a evolução das negociações comerciais EUA-China, enquanto os níveis de oferta continuarão a atrair a atenção do mercado, depois que sinais de queda na oferta na semana passada sustentaram os preços.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) cortou a produção de petróleo bruto em dezembro, mostrou uma pesquisa da Reuters, e o Instituto Americano de Petróleo relatou uma queda de 20% nos estoques de petróleo bruto.

O ânimo também foi impulsionado quando a China confirmou que as negociações comerciais com os EUA seriam realizadas em Pequim nos dias 7 e 8 de janeiro e depois de uma pesquisa que mostrou que o setor de serviços da China expandiu em dezembro, contrariando uma tendência de dados econômicos pessimistas.

"Dados recentes da China não confirmam a tendência de destruição e degradação", disse Olivier Jakob, analista de petróleo da Petromatrix. "E você tem o corte da OPEP."

O petróleo bruto West Texas Intermediate subiu US$ 1,22 centavos, ou 2,59%, na sexta-feira, chegando a US$ 48,31 por barril no fechamento do pregão da Bolsa Mercantil de Nova York. Durante a semana, a referência subiu 6,57%.

A referência global do petróleo, o petróleo Brent subiu US$ 1,46, ou 2,61%, para fechar em US$ 57,41 por barril. Saltou 9,98% para a semana.

Ambas as referências de petróleo registraram ganhos sólidos na primeira semana de negociações de 2019, apesar das preocupações crescentes de que a guerra comercial China-EUA levará a uma desaceleração econômica global.

As duas nações ficaram presas em uma guerra comercial durante grande parte do ano passado, interrompendo o fluxo de centenas de bilhões de dólares em bens e levantando a preocupação sobre desaceleração do crescimento.

Apesar das preocupações do lado da demanda, o petróleo recebeu algum apoio, já que os cortes de oferta anunciados pela coalizão global de produtores conhecidos como OPEP + se manifestam.

A Opep, a Rússia e outros países não-membros concordaram em dezembro em reduzir a oferta em 1,2 milhão de barris por dia (bpd) em 2019. A fatia da Opep nesse corte é de 800.000 bpd.

 

Uma pesquisa da Reuters na quinta-feira revelou que a oferta da Opep caiu 460 mil bpd em dezembro, após as avaliações da Bloomberg e da JBC Energy também mostrarem um declínio considerável.

 

O foco agora será saber se os produtores entregarão novas restrições em janeiro para implementar o acordo completamente. O Iraque, um retardatário na redução da produção no último corte da Opep, disse na sexta-feira que manterá o novo acordo.

 

"É provável que o mercado considere o fato de que a produção da Opep + continuará a cair", disse Ole Hansen, do Saxo Bank.

 

"O ânimo, no entanto, é fraco com a guerra comercial de (Presidente Donald) Trump com a China sendo um grande obstáculo ".

 

Antes da semana que está por vir, a Investing.com compilou uma lista com estes e outros eventos significativos que podem afetar o mercado de petróleo.



Fonte: MoneyTimes, 07/01/2019
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar