acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Estagnação

Indústria global de biocombustível para de crescer

11/01/2012 | 11h45
O crescimento da indústria de biocombustíveis cessou abruptamente, e a produção anual do ano passado caiu pela primeira vez em uma década devido a estreitas margens no Brasil e nos EUA, os maiores fornecedores no mundo.

A produção mundial de biocombustíveis caiu para 1,819 milhão de barris por dia, ante 1,822 milhão de barris por dia em 2010. A queda encerra uma década de contínuo crescimento na produção de biocombustíveis, conforme dados da Agência Internacional de Energia (AIE).

A rápida expansão da indústria de biocombustíveis nos últimos 10 anos tem sido controvertida, pois converte culturas alimentares, como óleo de milho, de palma, açúcar e trigo em combustíveis. Posições contrárias criticam a indústria por contribuir para o aumento dos preços das commodities agrícolas, uma acusação fortemente negada pelas empresas de biocombustíveis.

A desaceleração coincide com um momento em que Washington põe fim a um incentivo tributário de 30 anos ao setor. No primeiro dia de 2012, o governo americano eliminou um crédito tributário que lhe custava cerca de US$ 6 bilhões e uma tarifa que ajudou a estimular o desenvolvimento da indústria doméstica de biocombustíveis.

Analistas e executivos disseram que o declínio na produção terá ramificações importantes para mercados e produtores de commodities energéticas e alimentícias.

A produção mundial de biocombustíveis tem a mesma dimensão que a produção petrolífera de alguns dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), tornando-se uma engrenagem crucial no fornecimento de energia do mundo, contribuindo para formar os preços do petróleo bruto. "Quanto menos biocombustível temos, mais gasolina necessitamos", disse Amrita Sen, analista de petróleo do Barclays Capital.

O crescimento mais lento poderá aliviar as pressões sobre os preços dos alimentos, particularmente nos EUA, onde a indústria do etanol consome cerca de 40% do milho do país, e no Brasil, onde se consome cana-de-açúcar.

Embora a queda na produção tenda a ser revertida neste ano, executivos e analistas acreditam que o crescimento da oferta nos próximos cinco anos será significativamente mais lento do que no passado.

A desaceleração acontece num momento em que empresas brasileiras e americanas enfrentam estreitas margens por causa da alta do milho e da cana e devido a subinvestimentos. A China, que estava desenvolvendo uma grande indústria doméstica, reduziu seus objetivos iniciais devido a preocupações com a alta dos preços dos alimentos.

As refinarias de petróleo, sob pressão de estreitas margens, poderão se beneficiar da menor produção de biocombustíveis e de maior demanda por gasolina e diesel, ao passo que empresas de biocombustíveis, como os grupos Poet (EUA) e Cosan (Brasil) poderão sofrer consequências.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar