acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Impacto sobre Bolívia pode ser limitado

08/12/2010 | 10h18
A descoberta argentina pode ser uma má notícia para a Bolívia, mas não uma preocupação imediata. Os dois países têm um contrato que prevê que as exportações de gás natural da Bolívia chegarão a 27,7 milhões de metros cúbicos por dia em 20 anos. Hoje são de 5 milhões e em 2011, a previsão é que cheguem a 7,7 milhões. A Argentina é o segundo maior comprador de gás boliviano, depois do Brasil.


A pergunta é: com mais reservas, por que a Argentina continuaria precisando da Bolívia? O governo argentino disse que a jazida "permitirá no longo prazo substituir as importações de gás".


Analistas dizem, no entanto, que esse processo tende a não ser tão fácil. Youssef Akly, da Câmara Boliviana de Hidrocarbonetos, acredita que a jazida não é uma ameaça aos planos bolivianos. Primeiro porque o contrato entre os dois países inclui uma cláusula de take or pay, que estipula que a Argentina terá de comprar uma cota mínima de gás ainda que não precise. Diz que Buenos Aires confirmou que iniciará em janeiro a licitação para ampliação do gasoduto que aumentará a capacidade de transporte do gás boliviano. Além disso, diz, os preços da produção do gás de xisto são muito mais altos que o do gás natural.


"Claro que a descoberta é uma boa notícia para a Argentina, mas ainda parece uma boa opção ao país manter as opções de compra da Bolívia", diz Erasto Almeida, do Eurasia Group. Ele lembra que o governo argentino não tem adotado políticas de preços muito atraentes para as petroleiras e que seria preciso mudar as condições para assegurar os investimentos necessários. E por garantia, diz, a Argentina deveria manter a porta aberta para as compras da Bolívia.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar