acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Governo quer usar eólicas para reduzir térmicas a óleo

14/12/2009 | 09h36

O sinal amarelo acendeu no governo quando a operação das térmicas a óleo, em 2008, gerou fortes reajustes tarifários em 2009. Para evitar a repetição deste cenário, o Ministério de Minas e Energia (MME) aposta na chamada energia de reserva, oferta adicional para atender a todo o sistema. Depois da biomassa, agora é a vez de o governo contratar a energia de usinas eólicas sob esta modalidade, no primeiro leilão a ser realizado para a fonte, previsto para hoje.

 

Por terem um custo de geração menor, os projetos eólicos diminuem a probabilidade de as térmicas a óleo, mais caras e "sujas", entrarem em operação. "A energia eólica pode ser um meio de reduzir a conta do consumidor, da mesma forma que a bioeletricidade", diz o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim.

 

Para o primeiro leilão de energia eólica, o MME fixou o preço-teto em R$ 189/MWh, valor inferior ao custo de geração das termelétricas a óleo combustível (de R$ 400/MWh) e a óleo diesel (R$ 780/MWh). Como os últimos leilões contrataram um volume de usinas a óleo acima do desejado, o MME deve promover novas licitações para usinas eólicas e a biomassa.



Fonte: Jornal do Commercio
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar