acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia elétrica

Fornecimento de energia deve ficar mais estável

10/01/2005 | 00h00

O fornecimento de energia para o Rio de Janeiro e Espírito Santo deve ficar mais estável a partir de março, quando será inaugurada a linha de transmissão de Furnas ligando Ouro Preto (MG) a Vitória (ES). Isso porque esse reforço no atendimento ao Espírito Santo deixará maior folga para o sistema de transmissão que atende o Rio, que junto com o estado vizinho fica hoje no que se chama "ponta" do sistema elétrico interligado, explicou Luiz Eduardo Barata, diretor do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).
De acordo com Barata, o Espírito Santo, que hoje é atendido por intermédio do Rio, passará a contar com a energia de todo o sistema elétrico nacional, que chegará àquele estado atravessando o sistema de transmissão da Cemig.
O sistema elétrico nacional voltou a ser foco de atenções, inclusive da ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, na sexta-feira, após novo desligamento no fornecimento para o Rio e o Espírito Santo durante cerca de meia hora. A capital do Rio escapou, mas foram atingidas as cidades de Campos, Macaé, Cabo Frio, Petrópolis e Teresópolis. No Espírito Santo foram desligadas a capital, Vitória, e Cachoeiro do Itapemirim.
O novo blecaute foi causado por uma série de fortes descargas elétricas que levaram ao desligamento de dois circuitos de alta tensão (345 Kv) na linha de transmissão que faz a ligação Adrianópolis (SP) - Campos (RJ) - Macaé (RJ) - Vitória (ES). O primeiro desligamento no Rio ocorreu às 15h17 com o fornecimento sendo restabelecido às 15h39. O segundo, que atingiu o Espírito Santo, ocorreu às 15h19, com o fornecimento sendo retomado às 15h49. O ONS garante que não há qualquer conexão com o blecaute do outro sábado, quando houve falha humana.
A ministra reiterou que não há riscos de apagão. "Racionamento e apagão são decorrentes de problemas estruturais, de desequilíbrios entre oferta e demanda ou por linhas de transmissão insuficientes. Não existe, no Brasil, ameaça de apagão ou de racionamento", afirmou, em nota.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar