acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia elétrica

Evento internacional em Brasília debate armazenamento de energia

01/04/2016 | 15h19

O Workshop Internacional sobre Armazenamento de Energia, promovido pela ANEEL em colaboração com a Embaixada Britânica, ocorreu nesta quinta-feira (31/3), na sede da Agência em Brasília (DF). O encontro, abordou questões relacionadas a tecnologias, projetos e regulamentação, apresentou experiências nacionais e internacionais que envolvem o tema de armazenamento de energia elétrica e suas diversas áreas de aplicação, com convidados da Grã-Bretanha, dos Estados Unidos, da indústria nacional e de empresas do setor elétrico.

Participaram da abertura do Workshop o diretor-geral substituto da ANEEL, José Jurhosa, o representante do Ministério de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Sir David King e o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia (MME), Ildo Grudtner. O evento também conta com a participação dos diretores da ANEEL André Pepitone da Nóbrega, Reive Barros e Tiago Correia.

A iniciativa é fruto dos trabalhos que estão sendo conduzidos pela SPE com a Embaixada Britânica por meio do Prosperity Fund. O workshop também conta com o apoio da Associação Brasileira de Armazenamento e Qualidade de Energia (Abaque). A SPE apresentará a minuta de Chamada de P&D Estratégico nº 21 – “Desenvolvimento de Tecnologia Nacional de Armazenamento de Energia para o Setor Elétrico”, para recebimento de contribuições e alinhamento com os setores produtivos envolvidos, indústrias, concessionárias, órgãos nacionais e internacionais. O objetivo é que o texto final seja apresentado para apreciação da Diretoria da Agência ainda neste semestre.

Segundo o diretor José Jurhosa, entre as tendências do mundo contemporâneo estão o crescimento da demanda de energia elétrica, o aumento das preocupações com as questões ambientais, os custos de fornecimento, a segurança e a confiabilidade dos sistemas de suprimento de energia. Como as fontes renováveis de energia como a solar, a eólica e a biomassa não são permanentes, ganham importância as tecnologias de armazenamento de energia. “Considero que há potencial para que o desenvolvimento de sistemas de armazenamento de energia ganhe impulso diante do avanço científico e tecnológico alcançado, combinado com a necessidade imediata de dotar sistemas de transmissão e distribuição de alternativas modernas para encarar os desafios no suprimento de energia elétrica”, avalia Jurhosa.

Para o secretário Ildo Grudtner, mesmo com o bom desenvolvimento da energia eólica, a característica da intermitência faz necessário o desenvolvimento de tecnologia para que seja possível armazenar essa energia. Da mesma forma, é preciso desenvolver técnicas de armazenamento para a energia solar, que está iniciando sua utilização no Brasil, com uma quantidade inicial já vendida em leilões regulados e em processo de implantação e que conta com o Programa Pró-GD para seu desenvolvimento individual. “Eventos como este possibilitam o nivelamento e o incentivo para que se busquem o desenvolvimento dessas novas tecnologias, pela troca de conhecimento com países que já estão um passo à frente nessa área, que nos possibilitarão promover a regulamentação do armazenamento, para a qual devemos nos preparar”, afirma o secretário.

Sir David King, representante do Ministério de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, destaca a importância de se reduzirem os custos da produção de energia elétrica renovável. Segundo ele, as novas tecnologias, associadas à energia limpa, precisam ser competitivas para concorrer com outras formas mais maduras de geração. Ao citar o compromisso global de descarbonizar em 50% as emissões até 2025, King afirma que a medida contribui com a redução de 1,5 ºC no aquecimento do planeta. “Devemos inserir a energia elétrica de fontes renováveis na rede e preencher as lacunas tecnológicas, à medida que progredimos. Para essa expansão, é preciso desenvolver o armazenamento de energia”, ressalta o representante do Reino Unido.



Fonte: Assessoria ANEEL/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar