acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios

DSM fornecerá leveduras industriais à primeira planta de etanol celulósico do Brasil

25/05/2012 | 10h22
A DSM, empresa com atividades em saúde, nutrição e materiais, fechou uma parceria com a GraalBio, companhia de soluções em biotecnologia industrial do Grupo Graal, para fornecer leveduras industriais destinadas a fermentar o açúcar da primeira planta de etanol celulósico do hemisfério sul, sediada em Alagoas.

Como foi anunciado na quinta-feira (24), o inicio da construção está previsto para julho e o começo da operação para o último trimestre de 2013. A unidade terá um aporte de aproximadamente R$ 300 milhões e capacidade de produção nominal de 82 milhões de litros de etanol. De acordo com a GraalBio, os parceiros foram escolhidos por serem lideres mundiais em inovação.

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou que a DSM está entre as 35 empresas integrantes do Plano de Apoio à Inovação dos Setores Sucroenergético e Sucroquímico. A companhia foi aprovada nas categorias de etanol celulósico e bioquímicos.

“É um grande orgulho para a DSM fazer parte desta iniciativa, um marco na história do Brasil. O etanol celulósico pode agregar valor à indústria sucroalcooleira e traz um beneficio ambiental de extrema relevância para diminuir as emissões de gases estufa”, afirma Frank Nadimi, diretor de Desenvolvimento de Negócios Biotech da DSM.

O etanol celulósico é derivado de resíduos agrícolas ao contrário dos biocombustíveis comuns. A fabricação desses combustíveis será feita com o bagaço e a palha da cana. A tecnologia escolhida para o pré-tratamento e a conversão de biomassa foi a PROESA, desenvolvida pela BetaRenawables, joint venture entre a Chemtex e a TPGBiotech. Esta tecnologia utiliza o método de explosão por vapor no pré-tratamento, para romper as estruturas vegetais e permitir a ação de enzimas sobre as fibras de celulose, o que facilita as próximas etapas para a conversão da biomassa em açúcar industrial, a hidrólise enzimática e a fermentação.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar