acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pré-Sal

Consórcio vencedor de Libra quer fazer primeira perfuração este ano

18/03/2014 | 14h51

 

O consórcio vencedor do leilão para a exploração do Campo de Libra pretende fazer a primeira perfuração na região ainda este ano, segundo o representante da Shell no Brasil, André Araújo. Ele esteve hoje (18) em Brasília com o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. O leilão de Libra, em outubro do ano passado, foi o primeiro feito sob o regime de partilha. O consórcio formado por cinco empresas – a anglo-holandesa Shell, a francesa Total, as chinesas CNPC e Cnooc e a Petrobras – venceu a disputa.
“Estamos querendo este ano fazer perfuração, que seria um recorde. Normalmente, a primeira sonda leva uns dois anos para começar [a perfurar], mas a ideia é já começar a fazer a perfuração neste ano de 2014. Acho que é o ambiente que existe dentro do consórcio”, disse André Araújo, ao deixar o Ministério da Fazenda.
André Araújo destacou que além da área de biocombustível, a multinacional tem bastante interesse no Campo de Libra, pois reforçará a estratégia e o interesse da companhia no setor de exploração e produção. “É uma demonstração de que a gente está dentro desse setor e quer crescer bastante. Libra está muito bem e já temos um orçamento definido para este ano. O consórcio está indo muito bem e todos os integrantes procuram já definir alvos.”
Ele negou que a visita ao secretário da Receita Federal tenha sido para tratar de demandas tributárias da companhia. Disse que a visita era de cortesia e para apresentar projetos da petrolífera. “Viemos falar dos 100 anos da companhia aqui no Brasil, que ainda estamos celebrando. Em abril, passaremos a celebrar os 101 anos.”
O representante da Shell disse que questões tributárias são tratados por meio do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustível (IBP) e admitiu que o tema  tem preocupado a empresa. “A questão tributária é uma constante, não é surpresa. É um tema complexo. Temos um país federativo e esse é um tema que envolve não só a nossa companhia, nossa indústria, mas todas as indústrias”, acrescentou.
Ele indicou preocupação sobre a Medida Provisória 267, que tributa lucros de multinacionais brasileiras que atuam no exterior. “Todos são afetados por ela.”

O consórcio vencedor do leilão para a exploração do Campo de Libra pretende fazer a primeira perfuração na região ainda este ano, segundo o representante da Shell no Brasil, André Araújo. Ele esteve hoje (18) em Brasília com o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. O leilão de Libra, em outubro do ano passado, foi o primeiro feito sob o regime de partilha. O consórcio formado por cinco empresas – a anglo-holandesa Shell, a francesa Total, as chinesas CNPC e Cnooc e a Petrobras – venceu a disputa.

“Estamos querendo este ano fazer perfuração, que seria um recorde. Normalmente, a primeira sonda leva uns dois anos para começar [a perfurar], mas a ideia é já começar a fazer a perfuração neste ano de 2014. Acho que é o ambiente que existe dentro do consórcio”, disse André Araújo, ao deixar o Ministério da Fazenda.

André Araújo destacou que além da área de biocombustível, a multinacional tem bastante interesse no Campo de Libra, pois reforçará a estratégia e o interesse da companhia no setor de exploração e produção. “É uma demonstração de que a gente está dentro desse setor e quer crescer bastante. Libra está muito bem e já temos um orçamento definido para este ano. O consórcio está indo muito bem e todos os integrantes procuram já definir alvos.”

Ele negou que a visita ao secretário da Receita Federal tenha sido para tratar de demandas tributárias da companhia. Disse que a visita era de cortesia e para apresentar projetos da petrolífera. “Viemos falar dos 100 anos da companhia aqui no Brasil, que ainda estamos celebrando. Em abril, passaremos a celebrar os 101 anos.”

O representante da Shell disse que questões tributárias são tratados por meio do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustível (IBP) e admitiu que o tema  tem preocupado a empresa. “A questão tributária é uma constante, não é surpresa. É um tema complexo. Temos um país federativo e esse é um tema que envolve não só a nossa companhia, nossa indústria, mas todas as indústrias”, acrescentou.

Ele indicou preocupação sobre a Medida Provisória 267, que tributa lucros de multinacionais brasileiras que atuam no exterior. “Todos são afetados por ela.”



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar