acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Com caixa cheio, Petrobras quer poupar capital próprio

22/11/2010 | 09h53
Com R$ 47 bilhões em caixa, o que a coloca como a sexta empresa mais endinheirada das Américas, rivalizando com o Google em termos de disponibilidades, a Petrobras promete usar de maneira eficiente o dinheiro recebido na forma de aumento de capital. Isso terá que ocorrer mesmo com uma enorme lista de investimentos pela frente, já que a companhia planeja construir quatro grandes refinarias de grande porte simultaneamente e contratar dezenas de plataformas de perfuração e de produção para dobrar de tamanho até 2020.


Para vencer esse desafio, a Petrobras planeja agir em três frentes. Em primeiro lugar, quer cortar os custos tanto dos projetos de exploração e produção como das obras, como as refinarias que pretende construir. Fora isso, vai lançar mão de estratégias financeiras que reduzam a alocação de capital próprio em alguns investimentos e que, ao mesmo tempo, reduzam a necessidade de novas dívidas dentro do balanço da companhia.


Por fim, mas não menos relevante, deve dar prioridade a projetos de exploração que gerem mais caixa para a empresa, como a retirada dos 5 bilhões de barris da cessão onerosa, em que não há incidência de Participação Especial (PE). "Onde for possível nós vamos procurar substituir o nosso capital pelo de terceiros", disse o diretor financeiro da estatal, Almir Barbassa, ao Valor, ao comentar o uso de estruturas financeiras alternativas para alguns projetos.


O comando da empresa sabe perfeitamente que será um desafio atravessar uma fase de pesados investimentos nos próximos anos - até agora são US$ 224 bilhões de 2010 a 2014 -, enquanto a maior parte do retorno surgirá como geração de caixa operacional a partir de 2015.


Somente a exploração das áreas que a empresa obteve na cessão onerosa vão exigir entre US$ 6 bilhões e US$ 8 bilhões nos próximos quatro a cinco anos, o que inclui perfuração de poços para produção e novas plataformas que serão afretadas. Apesar de reconhecer a existência desse intervalo temporal entre o investimento e a entrada do dinheiro, Almir Barbassa descarta a necessidade de a companhia voltar a realizar um aumento de capital nos próximos anos, como tem sido projetado por analistas recentemente. "Isso está fora do radar", garante.


A empresa já anunciou que fechará 2010 com captações de US$ 16 bilhões, dos quais US$ 3 bilhões ainda serão obtidos até dezembro por meio de operações com agências de crédito à exportação ou bancos. Do total captado no ano, entre US$ 8 bilhões e US$ 9 bilhões foram usados em amortizações de dívidas, que somam US$ 38 bilhões no período de cinco anos previsto no plano estratégico 2010-2014.


Uma das estratégias financeiras para poupar caixa será usada com as 28 sondas que a Petrobras quer contratar no Brasil. A dona dos equipamentos será uma holding, em fase de constituição, em que estatal terá apenas de 5% a 10% do capital - o que não exige consolidação no balanço. O restante das ações será de investidores financeiros estrangeiros e locais. O acordo de acionistas dessa empresa está sendo costurado, diz Barbassa.
 

Para financiar a compra das sondas, o diretor da Petrobras estima que sejam necessários "20 e tantos bilhões de dólares". Os sócios da holding deverão aportar entre 20% e 30% desse montante na forma de capital e o restante deve ser captado via dívida, que não entrará no balanço da petroleira.


Segundo Barbassa, o capital dessa holding inicialmente será fechado, mas nada impede que seja aberto no futuro. A receita da empresa virá do aluguel dos equipamentos para a própria estatal. "É uma quantia significativa que incidiria em um momento em que temos que produzir mais poços e mais plataformas. Essa estrutura já está madura", afirma. O benefício é que esse custo não está incluído nos US$ 224 bilhões de investimento do plano estratégico. "Então, de repente, pode haver outras situações semelhantes a essa."


Estruturas parecidas já foram usadas pela companhia com os certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) ligados ao Estaleiro de Rio Grande e também com dois prédios em Macaé (RJ) e com um em Vitória (ES).


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar