acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Golfo do México / Reflexos

BP e Petrobras

08/07/2010 | 08h38

A antiga British Petroleum, agora simplesmente BP, é uma das gigantes mundiais do setor cuja falência começa a ser noticiada, por enquanto com os desmentidos de praxe. 


 
Anteontem, o diário londrino The Times anunciou que o megadesastre da plataforma Deepwater Horizon no Golfo do México pode afundar de uma vez a BP e que o governo inglês já prepara um plano de contingência para enfrentar a falência.

 

O prejuízo imediato admitido é de US$ 3,12 bilhões, mas o presidente Barack Obama chegou a anunciar a aplicação de uma punição de US$ 20 bilhões, embora a legislação americana preveja multa máxima de US$ 5 bilhões para casos de catástrofes petrolíferas. Sabe-se lá quantas dezenas de bilhões de dólares esse desastre ainda vai custar para toda a sociedade americana.
 


O acidente não aconteceu em condições operacionais especialmente críticas. Ao contrário, o vazamento descontrolado começou, de repente, ao final de uma operação tecnicamente simples de exploração de petróleo, quando a BP já se preparava para enviar a plataforma para outra área.


 
Até agora não se sabe qual foi o procedimento de segurança que falhou. Perante uma comissão da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o presidente da BP, Tony Hayward, fez referências a "uma combinação inédita de falhas", declaração tautológica que aparece a cada acidente aéreo.


 
No mundo operam hoje milhares de plataformas semelhantes à Deepwater Horizon. Todas as companhias de petróleo, inclusive a Petrobrás, usam sistemas de segurança equivalentes. A Petrobrás não tem muitas lições de moral a dar nesse particular. Ao contrário, tem um imenso passivo ambiental, que reflete sua vulnerabilidade a acontecimentos desse tipo.
 
Neste momento, a Petrobrás se prepara para uma vastíssima exploração de petróleo e gás no pré-sal. As novas regras preveem que todos os projetos de partilha terão 30% de participação da estatal. Isso significa que estará envolvida em praticamente todos os acidentes com vazamento que eventualmente ocorrerem na exploração do pré-sal. Em outras palavras, a Petrobrás estará ainda mais exposta ao risco de prejuízos gigantescos que poderão colocar em perigo sua sobrevivência, como acontece hoje com a BP. Há três semanas, com base em evidências dessa natureza, a agência Bloomberg advertiu que a Petrobras é a companhia de petróleo mais vulnerável a acidentes do tipo que atingiram a saúde da BP.


 
Nas janelas abertas na parede de silêncio regulamentar a que se submeteram até o desfecho de seu plano de oferta pública de ações, o presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, vem afirmando que a empresa está engajada numa solução, na medida em que vem participando com 20 técnicos das operações de controle do vazamento.


 
A questão transcende os procedimentos de segurança da empresa brasileira. A catástrofe do Golfo do México não aconteceu apenas porque a BP falhou. Aconteceu, também, porque o Estado, que deveria regular, fiscalizar e monitorar falhou, como também falhou na crise financeira, quando deixou os bancos soltos demais.


 
A hora da energia limpa

 

Em maio, logo depois que o desastre do Golfo do México pôs a nu a enorme vulnerabilidade de uma economia mundial fundada na energia fóssil (petróleo, gás natural e carvão), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, avisou que "o tempo para abraçar o futuro da energia limpa é agora".


 
Espanto

 

O problema é que o espanto é apenas a primeira reação. Não há nenhuma indicação de que, a longo prazo, a matriz energética mundial dê um peso relevante a qualquer energia alternativa. Energia solar, energia eólica, bioenergia, energia nuclear, todas elas ajudam. Mas nenhuma delas nem um conjunto delas parece capaz de assumir a função que hoje é do petróleo.


 
Projetos unilaterais

 

Afora isso, não se vê nenhuma tendência de que os Estados Unidos sejam capazes de liderar um movimento mundial nessa direção. Os projetos dos Estados Unidos são unilaterais e eivados de subsídios.


 
FONTE: O Estado de São Paulo
 



Fonte: O Estado de S. Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar