acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Eficiência

BID e Celpa fecham acordo de financiamento de US$ 1 milhão para eficiência energética

10/08/2010 | 10h17
A Celpa (PA) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento fecharam um acordo de cooperação técnica para eficiência energética em residências de baixa renda. A empresa pretende aplicar as medidas de redução do consumo em 7 mil residências no Pará. O banco vai aplicar US$ 1 milhão no programa através de doação do Fundo da Iniciativa de Energia Sustentável e Mudança Climática (Secci).


A Celpa vai comprar e instalar equipamentos e sistemas de eficiência energética nas residências e preparar um plano de monitoramento para reaplicação das medidas. Adicionalmente, serão desenvolvidos mecanismos para assegurar a sustentabilidade das medidas a longo prazo e analisada a possível venda de créditos de carbono derivados do Programa.
 
O objetivo da distribuidora é reduzir perdas comerciais com a substituição das instalações elétricas inadequadas e de lâmpadas incandescentes por lâmpadas compactas fluorescentes de alta eficiência.


O BID já apoia dois outros programas de eficiência energética no Brasil. Um do governo do estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado de Saneamento e Energia, que pretende desenvolver uam série de medidas de eficiência energética, incluindo a criação de um sistema de eficiência energética para o estado; apoio a gestão energética municipal; projetos de eficientização nas faculdades de tecnologia e escolas técnicas e preparação de planos de investimento para ampliar a implantação de medidas de redução do consumo. Serão investidos US$ 1 milhão no projeto do estado através do Secci.


Em Minas Gerais, a Cemig Distribuição terá apoio para o desenvolvimento do programa do estado com vistas ao diagnóstico do mercado de eficiência energética local; monitoramento e gestão do consumo energético de residências; implantação de um programa de gestão energética de órgãos públicos; e, preparação de planos para ampliar a escala do programa com o financiamento de projetos adicionais de eficiência energética.


Fonte: Canal Energia
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar