acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Aneel

Aprovada nova antecipação para a usina de Santo Antônio

28/07/2010 | 16h17
A concessionária Santo Antônio Energia teve ontem aprovada, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a antecipação em um ano do início das operações da usina de Santo Antônio, no Rio Madeira (RO). O empreendimento vai gerar os primeiros megawatts em dezembro de 2011, mas não foi estimado ainda o ganho para a concessionária, já que essa energia será vendida no mercado livre. Mas a própria Santo Antônio informou à agência reguladora que as empresas transmissoras terão uma receita extra de R$ 340 milhões.

Pelo contrato EPC (obras civis, equipamentos e montagem) da obra, toda receita obtida com a venda de energia que fosse gerada antes de maio de 2012 seria repartida entre a construtora e todos os fornecedores de equipamentos. O edital de licitação da usina previa inicialmente a entrega do empreendimento em dezembro de 2012. Mas já no leilão, o grupo vencedor deu o lance prevendo a antecipação para maio de 2012. E o prazo foi mais uma vez antecipado agora, para dezembro de 2011.

Desde o ano passado a concessionária Santo Antônio Energia negociava a antecipação com os órgãos do governo, já que depende das linhas de transmissão do Sistema Interligado Nacional. O diretor da agência Julião Coelho, que foi o relator do processo na Aneel, considerou pertinentes as vantagens apontadas pelos sócios da Santo Antônio Energia - Odebrecht, Furnas, Andrade Gutierrez, Cemig e o Fundo de Investimentos e Participações Amazônia Energia (integrado pelo FI-FGTS e pelo banco Banif).

Um dos pontos destacados foi a possibilidade de adiamento da expansão da capacidade de geração térmica no país, tirando a prioridade da realização de leilões nessa área até dezembro desse ano. A hidrelétrica, quando estiver operando a plena capacidade, poderá gerar 3.150 MW de energia e vai requerer investimentos de R$ 13,5 bilhões.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar