acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Golfo do México / Reflexos

Ameaça de ciclone nos Estados Unidos provoca alta de US$ 2 no preço do barril

28/06/2010 | 08h54

Os preços do petróleo no mercado internacional avançaram mais de US$ 2 na sexta-feira. As negociações foram influenciadas pelo ciclone no Pacífico e por indicadores nos EUA.

 

Em Nova York, o WTI para agosto terminou o dia valendo US$ 78,86, com alta de US$ 2,35. O contrato para setembro avançou US$ 2,28, a US$ 79,43. Em Londres, o Brent de agosto fechou a US$ 78,12, com alta de US$ 1,65, enquanto o vencimento de setembro ganhou no dia US$ 1,72, a US$ 78,52.

 

Os agentes interpretaram o fortalecimento do furacão Darby, que estava se movimenta pelo Pacífico na sexta-feira, como risco às plataformas de petróleo na região, que podem diminuir a oferta da commodity e, portanto, valorizá-la.

 

O Serviço Meteorológico Nacional do México (SMN), informou, ainda durante o pregão, que a tempestade tropical poderia alcançar a categoria 3 na escala Saffir-Simpson, de no máximo de 5, ainda no fim de semana.

 

"Isso (a tempestade) poderá afetar a produção de petróleo do México ou, se a tempestade se deslocar para o norte e para a costa de Louisiana, dos Estados Unidos", disse Andy Lipow, da Lipow Oil Associates.

 

A chegada de uma tempestade tropical na região "interromperia sem nenhuma dúvida as operações da BP contra a mancha de óleo, e caso se fortaleça, poderá interromper a produção de petróleo e de gás", comentaram analistas do JP Morgan Chase.

 

O mercado também foi influenciado pelos dados da economia dos EUA, que avançou a uma taxa anualizada de 2,7% entre janeiro e março deste ano, conforme a terceira revisão do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do país para o período. O Departamento do Comércio recordou que a estimativa anterior apontou alta de 3% para a economia dos EUA no primeiro trimestre de 2010. (Com agências internacionais)
 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar