acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Partidos

Aécio sugere retomar modelo de concessões na Petrobras

15/04/2014 | 10h12

 

A resposta do senador e pré-candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, às críticas governistas à atuação da oposição na crise da Petrobras atingiu ontem o modelo de exploração do petróleo aprovado durante o governo do PT. Convidado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) para falar a empresários fluminenses - talvez os mais próximos ao contexto da indústria do petróleo no país -, o senador acenou com a possibilidade de retomar o modelo de concessões desenvolvido durante o governo Fernando Henrique Cardoso e que vigorou até 2008, quando o novo marco regulatório para o pré-sal começou a ser debatido.
Aécio voltou a defender a atuação da oposição no caso das denúncias contra a Petrobras, criticada diretamente pela presidente Dilma Rousseff, e não poupou o governo de críticas na condução do setor de óleo e gás, um dos mais relevantes para a economia fluminense.
"Quem está ferindo [a Petrobras] é o aparelhamento que o PT fez na empresa. A oposição não tem essa capacidade e essa força. O que a oposição quer é impedir que ela continue sendo conduzida como foi até aqui", disse o pré-candidato antes do encontro, que ocorreu a portas fechadas.
De acordo com o senador, nos cinco anos desde a alteração do modelo de concessões, o Brasil pode ter perdido cerca de US$ 300 bilhões da indústria do petróleo, recursos que "andaram pelo mundo e não vieram para o Brasil". "Quero ouvir quem vive esse problema. Será que o modelo de concessões para determinadas áreas não é melhor do que esse que onera uma Petrobras já tão combalida?", questionou Aécio.
O senador criticou ainda a política de desonerações pontuais do governo e defendeu uma política fiscal que permita a desoneração horizontal da economia. "Não deu certo para o Brasil essa política das desonerações pontuais, patrocinadas até agora pelo governo. Atendeu a determinados setores, mas não significou nenhum estímulo claro, palpável, mensurável ao desenvolvimento da economia", disse.
Ainda sem palanque no Rio, o pré-candidato do PSDB confirmou conversas com partidos da base aliada do governo federal no estado, a exemplo das que levaram a aliança firmada com o PMDB da Bahia. Não confirmou, porém, nenhuma decisão. A expectativa era que tivesse um novo encontro com o presidente regional do PMDB, Jorge Picciani, ainda ontem.
"São bem vindos esses apoios. Vamos deixar que o tempo se encarregue de consolidar esse entendimento Mas, da mesma forma temos conversado com os nossos aliados naturais o Democratas e o PPS na construção de um palanque onde nós possamos discutir uma agenda para o Rio de Janeiro", disse o pré-candidato que, além de Picciani, um dos principais defensores do apoio ao PSDB no Estado, citou o senador Francisco Dornelles (PP) e o presidente regional do PSD, Antônio Pedro Índio da Costa - que foi o candidato a vice na chapa presidencial de José Serra (PSDB) em 2010 -, como alguns dos interlocutores.

A resposta do senador e pré-candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, às críticas governistas à atuação da oposição na crise da Petrobras atingiu ontem o modelo de exploração do petróleo aprovado durante o governo do PT. Convidado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) para falar a empresários fluminenses - talvez os mais próximos ao contexto da indústria do petróleo no país -, o senador acenou com a possibilidade de retomar o modelo de concessões desenvolvido durante o governo Fernando Henrique Cardoso e que vigorou até 2008, quando o novo marco regulatório para o pré-sal começou a ser debatido.

Aécio voltou a defender a atuação da oposição no caso das denúncias contra a Petrobras, criticada diretamente pela presidente Dilma Rousseff, e não poupou o governo de críticas na condução do setor de óleo e gás, um dos mais relevantes para a economia fluminense.

"Quem está ferindo [a Petrobras] é o aparelhamento que o PT fez na empresa. A oposição não tem essa capacidade e essa força. O que a oposição quer é impedir que ela continue sendo conduzida como foi até aqui", disse o pré-candidato antes do encontro, que ocorreu a portas fechadas.

De acordo com o senador, nos cinco anos desde a alteração do modelo de concessões, o Brasil pode ter perdido cerca de US$ 300 bilhões da indústria do petróleo, recursos que "andaram pelo mundo e não vieram para o Brasil". "Quero ouvir quem vive esse problema. Será que o modelo de concessões para determinadas áreas não é melhor do que esse que onera uma Petrobras já tão combalida?", questionou Aécio.

O senador criticou ainda a política de desonerações pontuais do governo e defendeu uma política fiscal que permita a desoneração horizontal da economia. "Não deu certo para o Brasil essa política das desonerações pontuais, patrocinadas até agora pelo governo. Atendeu a determinados setores, mas não significou nenhum estímulo claro, palpável, mensurável ao desenvolvimento da economia", disse.

Ainda sem palanque no Rio, o pré-candidato do PSDB confirmou conversas com partidos da base aliada do governo federal no estado, a exemplo das que levaram a aliança firmada com o PMDB da Bahia. Não confirmou, porém, nenhuma decisão. A expectativa era que tivesse um novo encontro com o presidente regional do PMDB, Jorge Picciani, ainda ontem.

"São bem vindos esses apoios. Vamos deixar que o tempo se encarregue de consolidar esse entendimento Mas, da mesma forma temos conversado com os nossos aliados naturais o Democratas e o PPS na construção de um palanque onde nós possamos discutir uma agenda para o Rio de Janeiro", disse o pré-candidato que, além de Picciani, um dos principais defensores do apoio ao PSDB no Estado, citou o senador Francisco Dornelles (PP) e o presidente regional do PSD, Antônio Pedro Índio da Costa - que foi o candidato a vice na chapa presidencial de José Serra (PSDB) em 2010 -, como alguns dos interlocutores.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar