acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Importação de combustíveis

Abicom: precificação dos combustíveis está defasado com base no mercado internacional

20/02/2019 | 17h45

A elevação dos preços internacionais desde o final de dezembro/2018 e a valorização do real frente ao dólar vêm acentuando a defasagem entre o Preço de Paridade Internacional (PPI) e o Preço Doméstico.

Para o óleo diesel, no acumulado do mês de fevereiro até dia 20/02 (considerando metodologia de análise na data “d-2”), o PPI variou R$ 0,1465 por litro, enquanto o reajuste médio do produtor interno foi de R$ 0,0307/L. Para a gasolina, mesmo com o reajuste considerado para hoje, o PPI desde o dia 01/02 variou 17% e a correção do preço doméstico foi de apenas 7% no mesmo período.

Considerando que o Brasil é dependente da importação de combustíveis para complementar a oferta e atender a demanda interna, fornecedores de combustíveis não podem estar desobrigados de seguir as variações nas cotações internacionais, pois estão inseridos neste mercado global.

Experiências anteriores reforçam a necessidade de que o Brasil se adeque à dinâmica internacional de precificação de combustíveis, em linha com as cotações negociadas nos mercados futuros. É necessário compreender que são mercados líquidos, com preços altamente voláteis e, acima disso, muito sujeitos ao contexto geopolítico.

O sistema de precificação com base no mercado internacional é necessário para dar previsibilidade e segurança à realização de investimentos. Caso contrário, as empresas e os consumidores brasileiros continuarão atrelados ao monopólio no refino e comercialização de derivados do petróleo.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar