acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Yukos suspende fornecimento à China

21/09/2004 | 00h00

A petrolífera russa Yukos informou no domingo ter suspendido a maior parte de suas exportações para a China, em um primeiro sinal de problemas com as vendas externas da empresa em meio a dificuldades financeiras.
Um porta-voz da empresa disse que a Yukos vende a Companhia Nacional de Petróleo da China o equivalente a cerca de 400 mil toneladas por mês, ou 100 mil barris por dia (bpd).
"Mas a oferta para a Sinopec, de cerca de 200 toneladas por mês, continua", acrescentou.
O porta-voz havia dito anteriormente que toda a oferta teria sido suspensa, citando "problemas que enfrentamos em pagar nossas despesas de exportação e fretes em razão do congelamento de nossas contas bancárias".
Autoridades russas congelaram as contas da Yukos para tentar recuperar mais de US$ 7 bilhões em impostos atrasados de 2000 a 2001.
A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) parece estar fazendo um esforço sério de expandir sua capacidade de produção para atender o crescimento da demanda mundial, disse ontem o secretário americano de Energia, Spencer Abraham.
"Claro que o objetivo deles é o de assegurar os mercados de que a Opep não somente vem produzindo em altos níveis, mas também que a decisão de tentar expandir sua produção está sendo levada a sério... para tentar atender o que imaginamos ser um crescimento contínuo da demanda mundial", disse Abraham. "Minha impressão é a de que alguma expansão é possível", acrescentou o secretário, falando durante os intervalos da reunião da Agência Internacional de Energia Atômica.
O Irã, segundo maior produtor de petróleo da Opep, disse que pretende investir US$ 8 bilhões anuais até 2009 para ampliar sua capacidade produtiva. Metade dos recursos desses investimentos virão de empresas estrangeiras, disse Hossein Kazempour Ardebili, representante do Irã no cartel.
A meta é aumentar a capacidade produtiva do país para 5,4 milhões de barris/dia. A cota do Irã aumentará, passando a "pouco mais" de 4,4 milhões de barris/dia em 1º de janeiro de 2005, após o Royal Dutch/Shell Group, segunda maior empresa petrolífera da Europa, elevar sua produção para 190 mil barris/dia nos campos petrolíferos de Soroush e Nowruz, disse Kazempour em uma entrevista no Ministério de Petróleo e Gás em Teerã.
"O mercado de desenvolvimento de projetos para os setores de gás e petróleo é muito lucrativo", disse Kazempour em seu escritório, localizado no centro de Teerã. "Temos obtido mais de US$ 6 bilhões por ano nos últimos quatro anos e, a partir de agora, conseguiremos mais de US$ 8 bilhões."
A república islâmica aumentou suas reservas de petróleo comprovadas para 132 bilhões de barris, o que representa um aumento de 15%.



Fonte: Valor Econômico/Ag.
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar