acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Yukos corta 4,5% em sua produção de petróleo

25/08/2004 | 00h00

A petrolífera russa Yukos reduzirá sua produção e cortará outras despesas na tentativa de manter suas operações ativas. A empresa disse que teve que introduzir algumas medidas "severas" de redução de custos para dar continuidade às suas "operações normais".
As despesas serão reduzidas em US$ 700 milhões (cerca de R$ 2 bilhões), principalmente em programas sociais, a produção de petróleo diminuirá 4,5% e a companhia adiará o pagamento dos atuais impostos.
"A administração considerou todas as opções abertas e concluiu que não há outra escolha do que efetuar, imediatamente, uma redução em nosso capital e gastos operacionais", comentou o presidente executivo da gigante petrolífera, Steven Theede.
A Yukos afirma que sua receita mensal caiu pela metade após o governo ter congelado as contas da empresa para o pagamento de impostos.

Ações - Os investidores ainda estavam digerindo o anúncio do corte de produção e, com isso, as ações da Yukos caíam 7% nesta segunda-feira (24/08). O mercado também estava preocupado com a possibilidade de que o governo russo reivindique US$ 3 bilhões em impostos devidos pela principal subsidiária da Yukos, a Yuganskneftegaz.
Oficiais de Justiça confiscaram, até agora, cerca de US$ 800 milhões da Yukos para o pagamento de US$ 3,4 bilhões de impostos devidos pela companhia desde 2000, segundo o governo.
Enquanto isso, nesta segunda-feira, o preço do barril do petróleo registrava uma queda.
O preço do barril do petróleo para entrega em outubro recuava 57 centavos de dólar para US$ 46,15, na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês).
Em Londres, na Bolsa de Petróleo Internacional (IPE, na sigla em inglês), o barril de petróleo do tipo Brent era cotado a US$ 42,98, uma queda de 56 centavos de dólar.
Apesar do recuo nos preços, alguns analistas do mercado acreditam que o preço do petróleo pode subir ainda mais.



Fonte: BBC Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar