acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

WEG planeja ampliar sua produção no México e China

01/10/2013 | 10h39

 

A WEG anunciou um investimento de US$ 345 milhões para expandir sua capacidade de produção de motores elétricos no exterior. Os países escolhidos para a expansão são o México e a China. A empresa já está presente nos dois países, mas vai mais do que triplicar a capacidade por acreditar no potencial dos mercados das duas regiões, segundo afirmou ao 'Valor' Siegfried Kreutzfeld, diretor superintendente de negócios motores.
O investimento no México somará US$ 210 milhões em cinco anos, tanto para o aumento da capacidade local - de 400 mil para 2 milhões de motores ao ano - quanto para melhorar a integração do processo produtivo. O objetivo é tornar a operação similar à existente em Jaraguá do Sul (SC), maior parque fabril da WEG.
O projeto no México inclui construção de uma fundição de ferro para atender à necessidade de componentes para carcaças de motores elétricos industriais produzidos para os mercados da América do Norte. Segundo Kreutzfeld, a localização da nova unidade não foi definida, mas a produção será destinada majoritariamente para o mercado americano.
Na China, a empresa prevê investimentos de US$ 135 milhões até 2020. De uma capacidade de 300 mil motores ao ano, a empresa passará a um milhão de unidades. "Na China começamos em 2004 com uma fábrica pequena, hoje estamos no limite de capacidade", afirmou o executivo. Além do mercado chinês, a produção vai atender também os mercados de Indonésia, Filipinas, Cingapura e Japão.
Os novos aportes da companhia serão usados para a construção de um parque fabril em Rugao, uma zona de desenvolvimento tecnológico e industrial a 65 quilômetros de Nantong, onde a companhia já tem uma fábrica em operação.
Em sua última ofensiva fora, a WEG anunciou em setembro a compra de um negócio de fabricação de transformadores e subestações da Hawker Siddeley Electric Africa (HST) na África do Sul. Com a compra, a empresa formou uma nova subsidiária, a WEG Transformers Africa. Segundo a WEG, a HST tem receita potencial estimada em aproximadamente US$ 10 milhões nos próximos 12 meses.
No Brasil, a WEG está expandindo a unidade em Linhares (ES) para atingir produção de nove milhões de motores monofásicos, usados em lavadores de roupas, por exemplo. A empresa faturou R$ 6,2 bilhoes em 2012 e obteve lucro liquido de R$ 656 milhões. Metade das receitas são obtidas no mercado brasileiro, onde estima ter cerca de 60% do mercado de motores grandes e 50% no de motores menores.

A WEG anunciou um investimento de US$ 345 milhões para expandir sua capacidade de produção de motores elétricos no exterior. Os países escolhidos para a expansão são o México e a China. A empresa já está presente nos dois países, mas vai mais do que triplicar a capacidade por acreditar no potencial dos mercados das duas regiões, segundo afirmou ao 'Valor' Siegfried Kreutzfeld, diretor superintendente de negócios motores.

O investimento no México somará US$ 210 milhões em cinco anos, tanto para o aumento da capacidade local - de 400 mil para 2 milhões de motores ao ano - quanto para melhorar a integração do processo produtivo. O objetivo é tornar a operação similar à existente em Jaraguá do Sul (SC), maior parque fabril da WEG.

O projeto no México inclui construção de uma fundição de ferro para atender à necessidade de componentes para carcaças de motores elétricos industriais produzidos para os mercados da América do Norte. Segundo Kreutzfeld, a localização da nova unidade não foi definida, mas a produção será destinada majoritariamente para o mercado americano.

Na China, a empresa prevê investimentos de US$ 135 milhões até 2020. De uma capacidade de 300 mil motores ao ano, a empresa passará a um milhão de unidades. "Na China começamos em 2004 com uma fábrica pequena, hoje estamos no limite de capacidade", afirmou o executivo. Além do mercado chinês, a produção vai atender também os mercados de Indonésia, Filipinas, Cingapura e Japão.

Os novos aportes da companhia serão usados para a construção de um parque fabril em Rugao, uma zona de desenvolvimento tecnológico e industrial a 65 quilômetros de Nantong, onde a companhia já tem uma fábrica em operação.

Em sua última ofensiva fora, a WEG anunciou em setembro a compra de um negócio de fabricação de transformadores e subestações da Hawker Siddeley Electric Africa (HST) na África do Sul. Com a compra, a empresa formou uma nova subsidiária, a WEG Transformers Africa. Segundo a WEG, a HST tem receita potencial estimada em aproximadamente US$ 10 milhões nos próximos 12 meses.

No Brasil, a WEG está expandindo a unidade em Linhares (ES) para atingir produção de nove milhões de motores monofásicos, usados em lavadores de roupas, por exemplo. A empresa faturou R$ 6,2 bilhoes em 2012 e obteve lucro liquido de R$ 656 milhões. Metade das receitas são obtidas no mercado brasileiro, onde estima ter cerca de 60% do mercado de motores grandes e 50% no de motores menores.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar