acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Etanol

Vendas de etanol batem recordes após greve; moagem também cresceu

26/06/2018 | 16h26
Vendas de etanol batem recordes após greve; moagem também cresceu
Divulgação Divulgação

As vendas de etanol nos primeiros quinze dias de junho, comercializado pelas unidades produtoras do Centro-Sul no mercado interno, somaram 1,41 bilhão de litros, incremento de 48,15% em relação à mesma quinzena do ano anterior (952,35 milhões de litros), representando, de acordo com a Unica - União da Indústria de Cana-de-Açúcar, um novo recorde de comercialização.

A entidade informou hoje (26), em nota oficial, que a comercialização de hidratado no mercado doméstico, atingiu, na primeira metade de junho, 907,07 milhões de litros, um recorde na comercialização quinzenal. Houve um aumento de 66,54% em relação ao montante observado no mesmo período da safra 2017/2018 (544,67 milhões de litros).

Para Antonio de Padua Rodrigues, diretor Técnico da Unica, o resultado histórico decorre da maior competitividade do hidratado frente à gasolina e do impacto da greve dos caminhoneiros, que exigiu a interrupção da produção e comercialização de etanol na 2ª quinzena de maio. "Com a normalização das operações no setor de combustíveis, houve a retomada das vendas pelas unidades produtoras para atender o consumo e a recomposição dos estoques operacionais dos distribuidores, postos de revenda e dutos", acrescentou o executivo.

No período analisado, o volume de etanol anidro comercializado no mercado interno foi de 503,79 milhões de litros registrando crescimento de 23,57% em relação aos 407,68 milhões vendidos na mesma quinzena de 2017. De acordo com a Unica, o aumento da venda do biocombustível foi influenciado pela ampliação da operação de cabotagem e das transferências para atendimento da demanda na região Norte-Nordeste.

Moagem e ATR

Na primeira quinzena de junho de 2018, a quantidade de cana processada no Centro-Sul foi 6,40% superior ao volume registrado no mesmo período de 2017, atingindo 42,03 milhões de toneladas. Neste mesmo período, em 2017, o volume registrado foi de 39,50 milhões de toneladas. No acumulado, desde o início da safra 2018/2019 até 15 de junho, a moagem alcançou 176,97 milhões de toneladas contra 151,71 milhões contabilizadas em igual período do ciclo anterior.

A qualidade da matéria-prima processada, medida a partir da concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR), registrou aumento de 5,34% nos primeiros quinze dias de junho, atingindo 135,45 kg por tonelada nesse ano contra 128,58 kg verificados na mesma quinzena de 2017. No acumulado até 15 de junho deste ano, o indicador de qualidade atingiu 126,50 kg de ATR por tonelada de cana, mantendo alta de 4,55% em relação ao valor da safra 2017/2018.

"O clima seco observado desde o início dessa safra permitiu um maior rendimento da colheita e melhorou a qualidade da matéria-prima processada até o momento. Entretanto, essa condição deve promover redução na produtividade da cana colhida nos próximos meses, reduzindo significativamente a oferta de matéria-prima para processamento", explica Padua.

Nos primeiros 15 dias de junho, mais 10 unidades produtoras iniciaram a safra, totalizando 255 unidades operando no Centro-Sul. Até esta mesma data do último ano, eram 266 plantas em operação.

Açúcar e etanol

Na primeira quinzena de junho, 63,53% da cana processada destinou-se à fabricação de etanol, ante 50,63% computados em igual período da safra passada e a produção de etanol hidratado totalizou 1,44 bilhão de litros, sendo a segunda maior da série histórica, ficando atrás da última quinzena de agosto da safra 2010/2011, quando foi registrada produção de 1,50 bilhão de litros.

O volume de anidro produzido pelas usinas do Centro-Sul totalizou 700,58 milhões de litros na primeira quinzena de junho, praticamente o mesmo volume registrado na safra 2017/2018 (694,48 milhões de litros).

Do total produzido, o etanol fabricado a partir de milho foi responsável por 20,11 milhões de litros nos primeiros quinze dias de junho. No acumulado desde o início da safra, foram fabricados 137,04 milhões de litros de etanol de milho, registrando crescimento de 161% em relação ao volume produzido em igual período do ano passado.

No acumulado da safra, o volume total de etanol produzido alcançou 8,71 bilhões de litros, sendo 2,49 bilhões de anidro e 6,22 bilhões de hidratado.

A quantidade de açúcar produzida registrou retração de 17,21%, alcançando 1,98 milhão de toneladas na primeira metade de junho ante 2,39 milhões produzidas na mesma quinzena do último ano. No acumulado desde o início da safra até 15 de junho, a produção atingiu 7,47 milhões de toneladas.

"O volume de hidratado fabricado até o momento já representa um incremento de 80,91% em relação à safra passada. Caso não tivesse ocorrido mudança no mix de produção das usinas, a fabricação acumulada de açúcar já teria alcançado 9,5 milhões de toneladas, com crescimento próximo de 2 milhões de toneladas em relação à quantidade efetivamente registrada nesse ano", conclui Padua.

 

 



Fonte: Redação/Assessoria Unica
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar