acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mineração

Vale deixa expirar prazo para projeto de potássio na Argentina

05/02/2013 | 17h13

 

A mineradora Vale deixou expirar na segunda-feira (4) a data para indicar quando serão restabelecidas as operações no projeto de exploração de potássio de Rio Colorado, na Argentina, avaliado em US$ 6 bilhões.
Desde 22 de dezembro o projeto está ocioso, mas nem a Vale nem a província de Mendoza, onde está o ativo, apresentaram uma atualização oficial. A Vale apenas comentou que o recesso dos trabalhadores no feriado de fim de ano está sendo estendido, enquanto a companhia “avalia mudanças na economia do projeto”.
Francisco Perez, governador de Mendoza, que estipulou a data de 4 de fevereiro para a Vale submeter um novo cronograma para o projeto, viajou para Buenos Aires na segunda-feira, para um encontro com o ministro de Planejamento, segundo sua assessoria de imprensa.
O jornal “Diario Los Andes”, de Mendoza, informou que o presidente-executivo da Vale, Murilo Ferreira, deve se reunir com Perez.
No fim de janeiro, o governador de Mendoza disse que Rio Colorado poderia ser considerado “abandonado” e “a concessão vai expirar devido ao não cumprimento de compromissos”, se a Vale não entregar o documento.
Segundo o jornal, a suspensão dos trabalhos em Rio Colorado colocou pressão financeira sobre os fornecedores e subcontratados na remota região em que a mina está localizada. As autoridades estão preocupadas também com o futuro dos 4,5 mil funcionários.
Analistas do Bank of America Merrill Lynch (BofA), que elevaram a recomendação da ação da Vale de neutra para compra na semana passada, esperam que a companhia suspenda a operação em Rio Colorado devido a uma “economia muito desfavorável”. A depreciação do peso argentino nos últimos anos elevou os custos “entre 40% e 50%, pelo menos”, afirmam o banco em relatório.
Os executivos da Vale evitam comentar o assunto. Em uma apresentação para investidores e analistas, Luciano Siani, diretor financeiro, preferiu não comentar o projeto.
Em resposta a uma pergunta sobre as implicações da suspensão das operações em Rio Colorado, Siani disse que a Vale tem a “obrigação de avaliar no que já investiu, mas também de olhar as perspectivas adiante”.
“Nós também não temos problemas hoje em retirar de nosso balanço ativos que não oferecem a geração de caixa compatível com o que investimos”, acrescentou Siani.

A mineradora Vale deixou expirar na segunda-feira (4) a data para indicar quando serão restabelecidas as operações no projeto de exploração de potássio de Rio Colorado, na Argentina, avaliado em US$ 6 bilhões.


Desde 22 de dezembro o projeto está ocioso, mas nem a Vale nem a província de Mendoza, onde está o ativo, apresentaram uma atualização oficial. A Vale apenas comentou que o recesso dos trabalhadores no feriado de fim de ano está sendo estendido, enquanto a companhia “avalia mudanças na economia do projeto”.


Francisco Perez, governador de Mendoza, que estipulou a data de 4 de fevereiro para a Vale submeter um novo cronograma para o projeto, viajou para Buenos Aires na segunda-feira, para um encontro com o ministro de Planejamento, segundo sua assessoria de imprensa.


O jornal “Diario Los Andes”, de Mendoza, informou que o presidente-executivo da Vale, Murilo Ferreira, deve se reunir com Perez.


No fim de janeiro, o governador de Mendoza disse que Rio Colorado poderia ser considerado “abandonado” e “a concessão vai expirar devido ao não cumprimento de compromissos”, se a Vale não entregar o documento.


Segundo o jornal, a suspensão dos trabalhos em Rio Colorado colocou pressão financeira sobre os fornecedores e subcontratados na remota região em que a mina está localizada. As autoridades estão preocupadas também com o futuro dos 4,5 mil funcionários.


Analistas do Bank of America Merrill Lynch (BofA), que elevaram a recomendação da ação da Vale de neutra para compra na semana passada, esperam que a companhia suspenda a operação em Rio Colorado devido a uma “economia muito desfavorável”. A depreciação do peso argentino nos últimos anos elevou os custos “entre 40% e 50%, pelo menos”, afirmam o banco em relatório.


Os executivos da Vale evitam comentar o assunto. Em uma apresentação para investidores e analistas, Luciano Siani, diretor financeiro, preferiu não comentar o projeto.


Em resposta a uma pergunta sobre as implicações da suspensão das operações em Rio Colorado, Siani disse que a Vale tem a “obrigação de avaliar no que já investiu, mas também de olhar as perspectivas adiante”.


“Nós também não temos problemas hoje em retirar de nosso balanço ativos que não oferecem a geração de caixa compatível com o que investimos”, acrescentou Siani.

 



Fonte: Valor Online
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar