Petrobras- 213x420
acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Usiminas registra lucro líquido de R$ 16 milhões no primeiro trimestre

28/04/2011 | 09h20
Usiminas registra lucro líquido de R$ 16 milhões no primeiro trimestre
Usiminas registra lucro líquido de R$ 16 milhões no primeiro ... Usiminas registra lucro líquido de R$ 16 milhões no primeiro ...
A Usiminas, líder no mercado nacional de aços planos, encerrou o primeiro trimestre de 2011 com lucro de R$ 16 milhões, decréscimo de 94% ante o quarto trimestre do ano passado. Os principais fatores que impactaram este resultado foram as perdas cambiais não recorrentes (no valor de R$ 125 milhões) registradas com a venda da participação acionária da Ternium, a continuidade da pressão dos custos das matérias primas e o câmbio favorável às importações. 
 

A Companhia registrou EBITDA de R$ 337 milhões no 1TRI11, 1,4% superior ao trimestre anterior. A margem EBTIDA foi de 11% – crescimento de 0,2 ponto percentual na mesma base de comparação. Já a receita líquida também permaneceu em linha, com decréscimo de 1% no período, totalizando R$ 3,1 bilhões. 
 

Durante o 1TRI11, a produção de aço bruto nas usinas de Ipatinga e de Cubatão foi de 1,8  milhão de toneladas, o que representa um aumento de 12% em relação ao 4TRI10. A produção de laminados foi de 1,7 milhão de toneladas, 8% acima da produção registrada no 4TRI10. 
 

As vendas físicas totais da Usiminas no 1TRI11 alcançaram o volume de 1,6 milhão de toneladas, 1% superiores ao registrado no 4TRI10. Ao mercado interno, foram destinadas 1,2 milhão de toneladas, número 15% superior quando comparado ao trimestre anterior. Em função deste foco maior no atendimento da demanda interna, as exportações no 1TRI11 foram de 0,4 milhão de toneladas, decréscimo de 30% em relação às do 4TRI10. 
 


Mineração Usiminas 
 
 
A produção de minério chegou a 1,6 milhão de toneladas, número 10% inferior ao apurado no trimestre passado. Pouco mais de 1,0 milhão de toneladas produzidas foram transferidas para as usinas de Cubatão (SP) e Ipatinga (MG), representando ganhos de 6% em relação ao 4TRI10. Para o ano, a Mineração Usiminas estima produção de 8 milhões de toneladas e exportações da ordem de 1 milhão de toneladas. 


Foco em investimentos 
 
 
O primeiro trimestre de 2011 representa um importante passo para a Usiminas na consolidação de sua estratégia de investimentos que prevê um aporte de R$ 2,8 bilhões em 2011. No 1TRI11, a Companhia registrou um volume de investimento de R$ 1 bilhão, aumento de 5% em relação ao 4TRI10.   
 

Entre os projetos está a nova linha de galvanização que será inaugurada ainda no primeiro semestre deste ano na usina de Ipatinga. O projeto vai ampliar em 550 mil toneladas a capacidade instalada de produção de aços galvanizados para a indústria automotiva, de linha branca, construção civil e distribuição. Outro destaque é a continuidade das obras do novo laminador de tiras a quente, na usina de Cubatão, que terá capacidade para adicionar 2,3 milhões de toneladas de laminados a quente à produção anual da empresa. 
 
 
Minério, energia e coque 
 
 
A Mineração Usiminas projeta atingir a capacidade produtiva de 12 milhões de toneladas anuais de minério de ferro até o final de 2012. O volume representa um crescimento de aproximadamente 70% sobre o patamar atual de 7 milhões de toneladas anuais. Para isso, a subsidiária iniciou uma agenda de investimentos de R$ 550 milhões, a partir deste ano, em duas novas plantas concentração de Sinter Feed e Pellet Feed. Os investimentos totais para os próximos quatro anos são estimados em R$ 4,1 bilhões, o que elevará a capacidade de produção a 29 milhões de toneladas de minério de ferro em 2015. 
 

Dando continuidade à estratégia de verticalização de sua cadeia de valor, a Usiminas vai otimizar o consumo atual de energia elétrica com o objetivo de tornar-se autossuficiente neste insumo até 2015. Entre alternativas analisadas para este fim, estão investimentos em tecnologias e processos de otimização do mix de combustíveis e cogeração, que permite alto aproveitamento do passivo de energia térmica gerada por combustíveis, além da participação em ativos de energia. 
 

Após a inauguração da coqueria 3, em 2010, que ampliou a capacidade de produção em 750 mil toneladas de coque por ano, o próximo passo da Usiminas em direção à eficiência por esse tipo de insumo é a reforma da coqueria 2. O projeto será executado em 2011. 


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar