acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Lobão

Uruguai planeja construir térmica a carvão no RS

18/07/2008 | 15h05

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou hoje que o governo uruguaio negocia a construção de uma térmica a carvão no Rio Grande do Sul, próxima ao complexo de Candiota. O projeto, com 350 megawatts (MW) de potência, seria destinado quase totalmente para venda de energia ao mercado uruguaio. Segundo o Lobão, o empreendimento está em fase inicial de avaliação, mas já tem o aval do governo brasileiro, em nome da "amizade" brasileira com o Uruguai.

 

O ministro antecipou possíveis críticas quanto aos impactos ambientais de uma usina a carvão dizendo que hoje há tecnologias que reduzem as emissões de poluentes e que o transporte do carvão até o Uruguai poluiria ainda mais. "Ficaria um rastro de poeira no trajeto dos caminhões. O transporte de carvão é muito poluente", afirmou o ministro, em entrevista na sede do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), no Rio. Presente ao encontro, o ministro de energia e Minas do Uruguai, Daniel Martinez, disse que seu país está disposto a gastar 40% a mais em tecnologias modernas e menos poluentes no projeto. O Uruguai importa atualmente 72 megawatts médios do Brasil e planeja a ampliação da capacidade de importação em mais 500 megawatts, com a construção de uma linha de transmissão e estação uma conversora perto de Candiota. Martínez disse que a linha será construída mesmo sem a térmica.

 


O país enfrenta hoje problemas no suprimento de energia, por conta da baixa vazão da Bacia do Rio Negro, que tem capacidade para gerar 500 MW. Além disso, a maior hidrelétrica do país, Salto Grande, com 1,98 mil MW, não tem reservatório e também está com vazão baixa. Lobão e Martínez assinaram ontem um convênio alterando os termos da exportação de energia brasileira para o Uruguai. A partir de agora, o país vizinho não mais pagará em dinheiro pela energia, mas se compromete a devolver em eletricidade os volumes importados. O Brasil, por outro lado, deixa de fornecer energia térmica, mais cara, e passa a fornecer energia hidráulica. O modelo é semelhante ao adotado com a Argentina.



Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar