acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pesquisa e Desenvolvimento

Universidades terão R$ 30 bilhões para pesquisa em 10 anos

28/10/2013 | 10h26

 

As universidades brasileiras e os centros de pesquisas deverão receber investimentos da ordem de R$ 30 bilhões nos próximos 10 anos. A previsão é da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Os recursos virão da indústria do setor de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), que desde 1998 é obrigada por lei a investir 1% de suas receitas em pesquisa e desenvolvimento.
A informação foi apresentada por Florival Rodrigues de Carvalho, diretor ANP, no último dia do Pernambuco Petroleum Business, que aconteceu em Olinda (PE), desde a última quarta-feira (23). Ele acrescentou que essa estimativa não inclui ainda as receitas oriundas na nova lei de distribuição dos royalties (12.734/2012), aprovada no ano passado. “Com esses recursos queremos formar e qualificar a mão de obra local e, consequentemente, dar condições para produção de conteúdo local”, observou.
Ele reforçou que a produção de conteúdo local é um dos pilares da ação da ANP. “A cada leilão aumentamos a exigência de conteúdo local. As empresas são obrigadas a comprovar que estão dando espaço para fornecedores nacionais, sujeitas inclusive a multas, caso não cumpram o estabelecido”, concluiu.

As universidades brasileiras e os centros de pesquisas deverão receber investimentos da ordem de R$ 30 bilhões nos próximos 10 anos. A previsão é da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Os recursos virão da indústria do setor de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), que desde 1998 é obrigada por lei a investir 1% de suas receitas em pesquisa e desenvolvimento.

A informação foi apresentada por Florival Rodrigues de Carvalho, diretor ANP, no último dia do Pernambuco Petroleum Business, que aconteceu em Olinda (PE), desde a última quarta-feira (23). Ele acrescentou que essa estimativa não inclui ainda as receitas oriundas na nova lei de distribuição dos royalties (12.734/2012), aprovada no ano passado. “Com esses recursos queremos formar e qualificar a mão de obra local e, consequentemente, dar condições para produção de conteúdo local”, observou.

Ele reforçou que a produção de conteúdo local é um dos pilares da ação da ANP. “A cada leilão aumentamos a exigência de conteúdo local. As empresas são obrigadas a comprovar que estão dando espaço para fornecedores nacionais, sujeitas inclusive a multas, caso não cumpram o estabelecido”, concluiu.

 



Fonte: Ascom IBP
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar