acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Etanol

Unica reforça papel estratégico do setor no acordo de livre comércio entre Mercosul e UE

26/04/2016 | 12h36
Unica reforça papel estratégico do setor no acordo de livre comércio entre Mercosul e UE
Cortesia Unica/Geraldine Kutas Cortesia Unica/Geraldine Kutas

Os inúmeros benefícios econômicos e ambientais do etanol e do açúcar produzidos pelo Brasil devem ser observados com atenção durante a próxima rodada de negociação do Acordo de Livre Comércio entre Mercosul e União Europeia (UE), em maio deste ano. Com esta nova troca de ofertas entre os dois blocos, a última ocorreu em 2004, a União da indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) vem atuando de forma incisiva para que o setor sucroenergético brasileiro amplie oportunidades de negócios no velho continente.

Buscando estreitar relações e informar diversas lideranças europeias a respeito das vantagens competitivas dos produtos brasileiros, principalmente do biocombustível verde e amarelo na redução das emissões de CO2, a assessora sênior da Presidência para Assuntos Internacionais da UNICA, Geraldine Kutas, participou do “5th EU Biofuels Seminar”. Organizado pela Agência de Notícias Platts na primeira quinzena de abril (13/04), o seminário reuniu aproximadamente 90 pessoas em Genebra, Suíça. Destaques para as presenças de Ruta Baltause, da DG Energia da Comissão Europeia, do secretário Geral da ePURE, Robert Wright, e do representante da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), Henrique Pacini.

“Em 2004, a oferta da UE para o Mercosul foi de 600 mil litros de etanol. Outros 400 mil litros foram oferecidos no marco da conclusão da Rodada de Doha. O açúcar, porém, foi excluído do acordo. Neste caso, a nossa insistência é para que os europeus também ofereçam uma quota livre de tarifa”, explica Kutas, acrescentando que nos últimos 12 anos a UE já promoveu duas reformas em seu programa açucareiro (a última vai entrar em vigor no ano que vem) e que tem assinado vários acordos de livre comércio, que incluem açúcar, com outros países como Colômbia, Peru, África do Sul e Vietnã.

Com uma apresentação intitulada “Assessing the Global Market: What can the EU learn from Brazil” (“Avaliando o Mercado Global: O que a UE pode aprender com o Brasil”), a executiva da UNICA apresentou a radiografia do setor sucroenergético brasileiro, exaltando principalmente os atributos ambientais do biocombustível de cana, capaz de reduzir em até 90% a emissão de CO2 em comparação com a gasolina. “No que diz respeito ao etanol, considerando o seu uso carburante ou como insumo industrial, expliquei que o Brasil não pretende substituir a produção europeia, mas sim complementá-la”, afirma Kutas.

De acordo com a assessora, nos próximos dois anos os europeus definirão o futuro do uso de biocombustíveis no bloco. Serão discutidas a descarbonização do setor de transporte, a reforma da diretiva de promoção das energias renováveis e a decisão sobre a lei de “effort sharing”, que determina como os estados-membros da UE vão repartir os esforços de redução de gases de efeito estufa (GEE) em diversos setores, entre os quais o transporte e a agricultura.

“É importante que as novas legislações europeias sigam apoiando os biocombustíveis e que neste processo, o Brasil, com sua experiência de 40 anos na produção de etanol, coopere ainda mais em questões envolvendo níveis elevados de mistura do biocombustível à gasolina e consequente redução de poluentes atmosféricos. A cadeia sucroenergética brasileira já conta com investimentos de vários grupos empresariais da Europa, como Shell, Tereos, Louis Dreyfus, BP, Umoe etc. Ou seja, é perfeitamente possível reforçar essa colaboração”, conclui Kutas.



Fonte: Assessoria Unica
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar