acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
GLP

Ultra disputa compra de ativos da Shell no exterior

13/03/2006 | 00h00

A Ultragaz, líder do mercado de gás liquefeito de petróleo no Brasil, está disputando os ativos de GLP colocados à venda pela Royal Dutch Shell no exterior.

A empresa que faz parte do grupo Ultra é uma das finalistas para adquirir os ativos de produção do conhecido botijão de gás na Grã-Bretanha, França e Países Baixos associado a um grupo de investidores de private equity, formados pela PAI Partners e Bain Capital.

A informação foi divulgada, na sexta-feira, pela agência "Reuters" citando uma fonte próxima as negociações. Procurado pelo Valor, nenhum diretor do Ultra, comandado pelo empresário Paulo Cunha, quis comentar o assunto.

Além do Ultra, a petrolífera francesa Total e a companhia holandesa SHV também brigam pela unidade da Shell. De acordo com a fonte da "Reuters", os finalistas devem ser anunciados nesta semana. Segundo analistas, os ativos poderiam valer mais de US$ 2 bilhões.

Caso seja vencedor, seria o primeiro passo da Ultragaz em busca de crescimento no exterior. A empresa lidera o mercado brasileiro, com 23,6% de participação, segundo dados de janeiro do Sindigás.

Mas enfrenta o desafio de elevar sua rentabilidade numa economia com baixo crescimento, ao mesmo tempo em que é afetada por clientes industriais que trocam o GLP pelo gás natural.

Segundo analistas ouvidos pelo Valor, a associação com os fundos de investimentos fortalece a posição financeira do Ultra. Isso daria favoritismo à proposta apresentada pelo consórcio. O Ultra seria o operador estratégico do negócio.

Nos últimos tempos, o mercado doméstico de GLP passou por um processo de consolidação, conduzido por uma empresa privada nacional, outra estrangeira e uma última estatal. O primeiro movimento foi dado pelo Ultra ao comprar os ativos de GLP da Shell no Brasil por R$ 170 milhões, em 2003.

A holandesa SHV, maior distribuidora de GLP do mundo e segunda colocada no Brasil, com 22,3% do mercado, passou a ser dona de todo o capital da Supergasbras, concentrando seus negócios na SHV Gás Brasil. É também dona da Minasgas. A Petrobras, que tinha uma pequena fatia de mercado, saltou para a terceira posição ao adquirir a divisão de GLP da italiana Agip e tem 21,8%.

A Shell não comentou a venda dos ativos no exterior. Faz mais de um ano que a empresa anglo-holandesa planeja vender a unidade de GLP. Mas não conseguiu atrair propostas com preço atraente. Por conta disso, decidiu vender a divisão em duas partes.

A Total teria problemas com agências regulatórias caso adquirisse os ativos franceses, ao passo que as operações da SHV no Reino Unido e nos Países Baixos também criariam problemas de competição. A cisão facilitaria a apresentação de propostas mais atraentes.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar