acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Biocombustíveis

Subsídios ao etanol nos EUA caem até o final do ano, prevê Unica

18/07/2011 | 17h33
Os subsídios concedidos ao setor de etanol nos Estados Unidos devem cair até o final do ano, na avaliação de Marcos Jank, presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica). "Achamos que as restrições vão cair, senão agora, na primeira semana de agosto, cairão no final do ano", afirmou nesta segunda-feira (18), depois de participar de evento na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista.

No dia 7 de julho, senadores dos Estados Unidos chegaram a um acordo para acabar, até o final deste mês, com os dois subsídios concedidos à indústria de etanol no país. Sob o acordo, o crédito tributário de US$ 0,45 por galão de etanol misturado à gasolina expiraria não seria renovado, após expirar em 31 de julho. A tarifa de US$ 0,54 por galão de etanol importado também não seria renovada. O fim dos subsídios ainda precisa ser votado pelo senado americano.

Jank reconheceu que o Brasil, segundo maior produtor mundial de etanol, não tem capacidade neste momento para abastecer os EUA, caso as restrições sejam extintas, e preferiu não estimar um prazo para que isso aconteça. Ele ponderou, contudo, que a abertura do país contribuiria para criar um mercado internacional do biocombustível ao incentivar a produção e a exportação em outros países. "O etanol ainda é um produto essencialmente doméstico."

O presidente da Unica ainda citou câmbio e logística como outros pontos que deixariam o etanol brasileiro longe do mercado norte-americano. "Mesmo com as tarifas desaparecendo, o álcool vai continuar não competitivo porque o real está altamente valorizado. O câmbio não atrapalha o açúcar, mas claramente atrapalha o etanol".

Jank preferiu não estimar quanto etanol o Brasil poderia eventualmente exportar para os EUA, mas lembrou que o álcool de cana brasileiro é classificado na categoria "combustíveis avançados não celulósicos". A lei norte-americana que rege a questão prevê que 15 bilhões de litros desse tipo de biocombustível - que os EUA ainda não produzem - sejam utilizados até 2022. "O único combustível comercial que existe hoje nessa categoria é o etanol de cana e alguns tipos de biodiesel", afirmou o executivo.
 
Por isso, caso o Brasil exporte etanol para os EUA em algum momento, haveria um prêmio embutido no preço. "Este pode ser, no futuro, um dos fatores que vão induzir um novo ciclo de crescimento que a indústria precisa viver. A indústria precisa voltar a crescer", disse. Segundo Jank, não há novos investimentos previstos no setor neste ano. Há apenas um projeto de greenfield (usina nova) em curso.

Hoje não há outro produto concorrente do etanol de cana que entre na categoria de biocombustível avançado. Há alguns países que produzem álcool de milho, beterraba e trigo, mas estes são considerados convencionais porque reduzem menos de 50% das emissões de poluentes.


Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar