acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia elétrica

Subcomissão no Senado vai debater pendências da usina de Belo Monte

25/04/2016 | 12h33

A subcomissão temporária criada pela Comissão de Meio Ambiente (CMA) para acompanhar as obras da usina de Belo Monte fará na próxima quarta-feira (27), as 14h30, reunião de trabalho com o objetivo de buscar soluções para as pendências relativas à execução do projeto.

O senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), autor do pedido de reunião, lembra que em recente visita do colegiado à cidade de Altamira (PA) foram verificados vários problemas. Os mais graves estão relacionados com as obrigações assumidas pela Norte Energia - responsável pela construção da usina - na área ambiental e na proteção indígena.

Audiência

Flexa Ribeiro, que preside a subcomissão, explicou que os senadores vão participar também de uma audiência pública com o Ministério Público Federal e Estadual, com a prefeitura dos municípios impactados pela obra, além de trabalhadores, ONGs e empresários envolvidos na obra. O objetivo, segundo ele, é coletar informações sobre quais condicionantes já estão prontas, quais estão em andamento e quais ainda não foram iniciadas.

Foram convidados para o encontro o coordenador-geral da Casa de Governo em Altamira (PA), Avelino Ganzer; o presidente da Norte Energia, Duilio Diniz de Figueiredo; e o prefeito de Altamira, Domingos Juvenil.

Também fazem parte da lista a secretária adjunta de Desenvolvimento Econômico Mineração e Energia, Maria Amélia Enríquez; a procuradora da República Thais Santi Cardoso da Silva, que é baseada em Altamira; e a presidente do Ibama, Marilene Ramos.

A usina de Belo Monte será a terceira maior hidrelétrica do mundo, atrás apenas da usina Três Gargantas, na China, e de Itaipu, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Organizações sociais criticam o empreendimento, seus impactos ambientais e suas possíveis consequências para comunidades indígenas. Os defensores apontam o potencial econômico, social e energético que a usina pode representar para o Pará e para o Brasil.



Fonte: Agência Senado/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar