acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Meio ambiente

Stratus investe R$ 20 milhões na Ecosorb nos próximos três anos

16/05/2007 | 00h00

O meio ambiente passou a ser considerado um bom negócio, segundo afirma o sócio fundador do banco de investimentos Stratus, Álvaro Gonçalves, que anunciou nesta quarta-feira (16/05) o plano de investimentos de R$ 20 milhões na empresa Ecosorb - Tecnologia de Proteção Ambiental, nos próximos três anos. Parte do investimento já foi disponibilizado, mas os investidores não divulgam os percentuais.

Segundo o executivo, este plano de investimento pode, aumentar dependendo dos cenários de negócios ambientais no Brasil. A Ecosorb presta serviços para empresas do setor petrólífero, químico, siderúrgico e tem perspectivas de ampliar seu negócio a partir da injeção de capital feita pelo fundo de investimentos gerido pela Stratus.

O fundo reúne capital do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Petros (fundo de pensão dos funcionários da Petrobras), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento por meio do Fundo Multilateral de Investimentos (BID/Fumin).

Segundo o presidente da Ecosorb, Eugênio Singer, com os novos investimentos a empresa espera um faturamento de R$ R$ 15 milhões em 2007, o que significa um crescimento de cerca da 50% em relação ao faturamento médio dos anos anteriores.

Dados divulgados pela Ecosorb demonstram que  o negócio do meio ambiente no Brasil movimentou US$ 6,9 bilhões em 2005, divididos por cerca de 200 empresas.

As perspectivas da Ecosorb para os próximos anos é de criação de mais oito bases de serviços. Atualmente a empresa possui uma fábrica de produtos e equipamentos em Itatiba (SP) e unidades emergenciais em Santos (SP), Paranaguá (PR) e Itajaí (SC), além de uma base contratada no Rio de Janeiro.

Os investidores e executivos da Ecosorb baseiam a vertente de crescimento da empresa em função da evolução de uma consciência ambiental empresarial no Brasil e no desenvolvimento decorrente do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), que prevê uma série de investimentos em infra-estrutura, conseqüentemente uma série de demandas de gestão ambiental.

No que se refere à consciência ambiental, Singer destaca: "Antigamente só havia EIA-Rima (Estudo de Impacto Ambiental) para a fase de construção, atualmente a renovação do EIA-Rima depende de comprovação do respeito às regras estabelecidas". Com isso as estratégias de prevenção e prontidão da Ecosorb tendem a ser mais demandadas. "Nosso crescimento está baseado nestas atividades e não na ocorrência de sinistros", ressalta o diretor e um dos fundadores da empresa, Pedro Maziero.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar