acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
São Paulo

SP lança Rede de Incubadoras de Base Tecnológica e linhas de financiamento para projetos

17/12/2010 | 16h31
O governador Alberto Goldman lançou ontem (16) a Rede Paulista de Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica (RPITec), criada pela Secretaria de Desenvolvimento do Estado com a finalidade de apoiar a implantação desses empreendimentos no Estado. Na oportunidade, também foram anunciados o novo edital do Fundo Estadual de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcet) e o credenciamento do governo estadual para operar o programa Juro Zero em São Paulo. Juntos, os dois programas disponibilizarão R$ 20 milhões em linhas de crédito para projetos inovadores.


Os anúncios ocorreram durante a cerimônia de inauguração dos novos laboratórios do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), dentre os quais está o Laboratório de Vazão de Óleo, que será fundamental para a indústria nacional do petróleo uma vez que as medições de volumes de produtos são a base quantitativa para a contabilização das receitas, custos e lucros das empresas do setor. Será também importante na garantia da exatidão das medições fiscais realizadas sobre a produção do petróleo em território nacional e utilizadas na contabilização dos royalties e das participações especiais, além de proporcionar confiabilidade nas atividades de tributação realizadas em todas as etapas do processo de produção, transporte, refino e distribuição do petróleo e seus derivados.


O IPT inaugurou na mesma ocasião, as obras civis de seu novo Laboratório de Ensaios Pesados, que irá atuar no suporte técnico para a exploração e produção de petróleo do pré-sal; e as obras civis do novo prédio de bionanotecnologia do IPT, o mais moderno centro de pesquisas dessa área no país, com investimento total de R$ 46 milhões do Governo do Estado. A nova edificação, que faz parte do projeto de modernização do IPT, tem custo de R$ 21 milhões; os outros R$ 25 milhões estão previstos para instalações e equipamentos.


O evento de inauguração contou com a presença do governador Alberto Goldman, do secretário de Desenvolvimento, Luciano Almeida, do diretor-presidente do IPT, João Fernando Gomes de Oliveira, e do vice-governador eleito, Guilherme Afif Domingos, que será secretário de Desenvolvimento na próxima gestão.


Além das inaugurações, durante o evento, também foi assinado um protocolo de intenções para viabilizar um investimento de R$ 80 milhões no projeto do Centro de Desenvolvimento de Gaseificação de Biomassa (CDGB), no Parque Tecnológico de Piracicaba (SP). Esse Centro abrigará uma planta-piloto que desenvolverá a tecnologia de gaseificação do bagaço de cana, também conhecido como etanol de segunda geração. “O modelo desse projeto muda a lógica de se fazer pesquisa no país”, afirmou o secretário de Desenvolvimento do Estado. Esse projeto deverá duplicar o potencial energético da cana-de-açúcar, sem aumento das áreas plantadas.


Rede Paulista de Incubadoras
Coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento, o programa RPITec fará o credenciamento das incubadoras em uma rede que pode prever a realização de investimentos diretos do aporte estadual nas cadeias produtivas, além de outras ações voltadas ao fortalecimento das empresas de base tecnológica (EBTs) do Estado de São Paulo. O credenciamento habilita entidades gestoras a celebrar convênios com o governo paulista.
 
 
Instituída e regulamentada por meio do decreto nº 56.424/2010, publicado no Diário Oficial do Estado no último dia 23 de novembro, a rede conta com incubadoras que oferecem espaço físico por tempo limitado para a instalação de empresas nascentes, dando apoio para a consolidação dessas iniciativas. São locais que disponibilizam suporte gerencial e tecnológico para empresas inovadoras em produtos ou processos.


Para fazer parte da RPITec, a entidade gestora da incubadora de EBTs deve enviar um requerimento à Secretaria de Desenvolvimento, solicitando sua inclusão na rede. O interessado deve enviar um ofício com a justificativa e a caracterização do empreendimento, oferecer infraestrutura adequada e instalações de uso compartilhado, facilitando o acesso a laboratórios especializados, além de apoiar as incubadas nas áreas de gestão tecnológica, empresarial e mercadológica. Após a aprovação dos documentos, o credenciamento é realizado por meio de uma resolução válida por dois anos.


Novo edital do Funcet
O novo edital do Fundo Estadual de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcet) tem como objetivo estimular a inovação, o desenvolvimento tecnológico e a competitividade das empresas e da economia do Estado, por meio de financiamentos em condições especiais. Esse aporte de recursos é voltado para a inovação tecnológica de produtos e processos em micro e pequenas empresas instaladas no Estado de São Paulo. Em seu edital são selecionadas propostas para financiamento com valor limite de até R$ 200 mil por empresa, comprometendo recursos de até R$ 10 milhões.


Máquinas, equipamentos, consultorias, laudos técnicos, certificações, análises laboratoriais e reformas estão entre os itens financiáveis pelo fundo. O prazo máximo de carência é de até 24 meses e amortização de até 36 meses, com taxa de juros de 6% ao ano. Os equipamentos adquiridos e alienados poderão compor a garantia da empresa, exceto equipamentos de informática. Para inscrever o projeto, o interessado deverá acessar o site da Secretaria de Desenvolvimento, no endereço http://www.desenvolvimento.sp.gov.br/cti/funcet/.


Laboratório de Vazão de Óleo
O Laboratório de Vazão de Óleo está vinculado ao Centro de Metrologia de Fluidos (CMF) do Instituto. Para a sua construção, recebeu investimentos do Estado e da Petrobrás no total de R$ 7,2 milhões. Instalado em uma edificação de 750 metros quadrados dentro do campus do IPT na Cidade Universitária, o laboratório foi projetado para realizar calibrações, testes, ensaios comparativos, pesquisas e desenvolvimentos em diferentes tipos e modelos de medidores e componentes de sistemas de medição de vazão de óleo e de derivados.


Operando em um ambiente totalmente climatizado, o laboratório utiliza três óleos de diferentes viscosidades (baixa, média e alta) e por meio do controle preciso da temperatura do fluido de teste e da pressão na linha, permite a simulação da maioria das condições de operação encontradas no campo. O laboratório é complementado por uma unidade móvel composta de um provador padrão, calibrado por meio dos padrões do laboratório, transportado em carreta especial e que possibilita realizar testes e calibrações de medidores de vazão com os fluidos reais de processo e nos próprios locais de operação.


Laboratório de Ensaios Pesados
O Laboratório de Ensaios Pesados realizará ensaios estáticos e dinâmicos de fadiga de longa duração em estruturas e equipamentos de grande porte, que são aplicados em elementos de ancoragem de plataformas offshore, risers, umbilicais, dutos flexíveis e rígidos, entre outros. Os ensaios que serão realizados pelo IPT vão apoiar a certificação de processos de exploração do pré-sal de acordo com as normas para essas aplicações.


Grande parte do total de R$ 21,7 milhões para a montagem do laboratório envolve novos investimentos da Petrobras, do Governo do Estado de São Paulo, da FINEP e de empresas privadas do setor de mecânica pesada interessadas em novas capacitações laboratoriais. O futuro laboratório será equipado com uma bancada de ensaios para cargas estáticas de até 2,6 mil tf, que poderá ser considerada a maior do Brasil no gênero. Somente nessa bancada o investimento é de R$ 8,7 milhões. O laboratório terá outras seis bancadas para ensaios pesados, mas de menor porte.


Novo prédio de biotecnologia
Os oito mil metros quadrados do novo prédio de bionanotecnologia do IPT serão destinado ao estudo de tecnologia de partículas (microencapsulação de componentes químicos e terapia medicinal, como em cosméticos) e micromanufatura de equipamentos e metrologia. A bionanotecnologia é a área de pesquisa para descoberta e produção de materiais milhares de vezes menores que a espessura de um fio de cabelo. Tradicionalmente, uma partícula recebe o prefixo "nano" caso tenha diâmetro entre um e 100 nanômetros, ou cerca de 0,01% do diâmetro de um fio de cabelo. Atualmente, cerca de 600 produtos que contêm nanomateriais estão no mercado em todo o mundo.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar