acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia Eólica

Siemens garante pedido de energia eólica de 53MW da Escócia

07/02/2016 | 14h41
Siemens garante pedido de energia eólica de 53MW da Escócia
Cortesia Siemens Cortesia Siemens

A Siemens garantiu o pedido para a usina eólica onshore de Blackcraig Hill na Escócia. O projeto eólico de 53 megawatts (MW) localizado na área do conselho escocês de Dumfries e Galloway será constituído por 23 turbinas eólicas da plataforma G2 da Siemens. O contrato inclui também um acordo de serviço de 20 anos. O comissionamento está programado para meados de 2017.

Este é o Segundo projeto em que o cliente, Blue Energy, um dos principais investidores e construtores de infraestrutura de energia renovável, trabalha com a Siemens após o projeto de 21MW de Middle-wick na península de Dengie a três quilômetros a leste de Southminster, concluído em 2014. Para o projeto Blackcraig, a Blue Energy selecionou novamente a tecnologia comprovada da turbina G2, bem como o serviço e manutenção especializado oferecido pela Siemens. A área de Blackcraig Hill é exposta a ventos fortes e consistentes a partir do Mar da Irlanda e a SWT-2.3-93, com um diâmetro de rotor de 93 metros, fornecerá alta produção de energia. O projeto se baseia fortemente no conteúdo local inclusive empregos na obra de construção, assim como na manutenção quando a usina entrar em operação. Espera-se que o projeto forneça energia limpa para mais de 35.000 domicílios e, ao mesmo tempo, gere benefícios anuais para a comunidade de aproximadamente 7.000 Euros por MW instalado já que a Blue Energy aloca uma parte das receitas para iniciativas que beneficiem a comunidade.

Christopher Dean, o CEO da Blue Energy, comentou: "Estamos satisfeitos em trabalhar novamente com a Siemens. Tanto o desempenho comprovado da plataforma G2 como as características específicas do próprio local fizeram da SWT-2.3-93 uma escolha clara para nós."

"A energia eólica faz uma contribuição significativa não somente para o fornecimento de energia limpa para a Escócia com também para a economia local", comentou Thomas Richterich, o CEO Onshore da Divisão de Energia Eólica e Renováveis da Siemens. "Neste contexto, estamos satisfeitos em colaborar novamente com a Blue Energy para fazer da energia eólica a fonte de energia mais benéfica para a sociedade."

Para mais informações sobre a Divisão de Energia Eólica e Renováveis e os Serviços de Energia Eólica, favor consultar: www.siemens.com/wind.

Sobre o Grupo Siemens no Brasil

A Siemens está presente no Brasil há mais de cem anos e é atualmente o maior conglomerado de engenharia elétrica e eletrônica do país, com suas atividades agrupadas pelas divisões: Power and Gas; Wind Power and Renewables; Power Generation Services; Energy Management; Digital Factory; Mobility; Building Technologies; Healthcare; Process Industrial and Drives. A empresa é líder no fornecimento de equipamentos médicos para diagnóstico por imagem, como tomógrafos computadorizados e ressonância magnética, bem como diagnóstico laboratorial. As primeiras atividades da empresa no Brasil datam de 1867, com a instalação da linha telegráfica pioneira entre o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul. Em 1895, no Rio de Janeiro, era aberto o primeiro escritório e, dez anos mais tarde, ocorria a fundação da empresa no país. Ao longo do século passado a Siemens contribuiu ativamente para a construção e modernização da infraestrutura do Brasil. Hoje, os equipamentos e sistemas da Siemens são responsáveis por 50% da energia elétrica gerada no País, 30% dos diagnósticos digitais por imagem realizados no Brasil e estão presentes em 2/3 de todas as plataformas offshore brasileiras projetadas nos últimos 8 anos. No Brasil, o Grupo Siemens conta com 12 fábricas e 7 centros de pesquisa e desenvolvimento espalhados por todo o País.



Fonte: Assessoria/Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar