acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Aço

Siderúrgicas ainda vão apresentar números piores que os de 2009

23/02/2011 | 09h58
Embora os analistas esperem que o cenário para a indústria do aço deva melhorar a partir do segundo trimestre de 2011, com a alta de preços do aço na Europa e a expectativa de reajuste no Brasil, as prévias de Usiminas e Gerdau revelam resultados fracos no quarto trimestre de 2010, bem diferente da estimativa traçada para a mineradora Vale.


A média das projeções dos analistas para a Usiminas aponta receita de R$ 2,8 bilhões nos últimos três meses do ano passado, abaixo dos R$ 2,9 bilhões do quarto trimestre de 2009. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) é estimado na média em R$ 323,7 milhões, ante R$ 663 milhões do mesmo período do ano anterior, enquanto o lucro líquido esperado na média é de R$ 205 milhões, com queda de 68%. A margem Ebitda da Usiminas deve despencar ante o índice de 22,2% atingido ainda no quarto trimestre de 2009. As estimativas desse indicador oscilam entre os 11,3% da Brascan, 12,4% da Bradesco Corretora e 14% da SLW.
 

Os números do desempenho da siderúrgica mineira no último trimestre do ano devem ser conhecidos hoje, antes da abertura do mercado. Ferraz, da Brascan Corretora, prevê em relatório um volume de vendas líquidas de 1,5 milhão de toneladas, inferior aos 1,7 milhão de toneladas do mesmo período de 2009. Do total, cerca de 30% devem se referir à exportação. Com a depreciação do dólar, esse percentual prejudica a receita da companhia, na avaliação da Bradesco Corretora.


Além do efeito do dólar barato na receita de exportação, a Usiminas enfrentou no período uma concorrência predatória da importação de aço no país pelas distribuidoras. Para enfrentar essa concorrência, teve que, juntamente com as outras siderúrgicas nacionais, dar desconto entre 5% e 15% no preço do aço vendido. Agora começa a abolir o desconto, já que os estoques vêm caindo nas distribuidoras, devendo se normalizar em torno de um período de três meses de abastecimento em março. Também está previsto aumento de preço a partir desse período, quando os analistas trabalham com um cenário de recuperação.


A Gerdau deve divulgar seus resultados no dia 3 de março. O resultado previsto por analistas para o grupo gaúcho também deixa a desejar. Embora as projeções de receita sejam na média de R$ 7,5 bilhões, acima dos R$ 6,3 bilhões do quarto trimestre de 2009, o Ebitda é previsto na média em R$ 856 milhões e o lucro líquido, em R$ 290 milhões. No mesmo período do ano anterior, a Gerdau registrou Ebitda de R$ 1,2 bilhão e lucro de R$ 643 milhões.


A Gerdau, como a Usiminas, vem sofrendo também com a alta dos insumos consumidos pela indústria do aço, que são o carvão, o minério de ferro e a sucata.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar