acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Shell pode atingir 70 mil boed

03/10/2013 | 15h00

 

O anúncio da Shell ontem de que produzirá 35 mil barris de petróleo por dia na segunda fase do desenvolvimento do Parque das Conchas, na Bacia de Campos, deixa implícito que ela poderá atingir um pico de 70 mil barris de óleo equivalente por dia produzidos no país no primeiro semestre de 2014. A Shell anunciou a extração do chamado "primeiro óleo" da segundo fase da exploração do conjunto de campos descobertos no bloco BC-10, que fica na parte capixaba da Bacia de Campos.
Operadora da área, a empresa não confirma volumes de produção. Informa que não é possível prever o ritmo de depleção natural da produção dos campos Abalone, Ostra e Argonauta, que integram a fase 1 do projeto. Produzindo hoje 42,68 mil barris de óleo equivalente por dia (39,7 mil barris exclusivos de petróleo) nas áreas que opera, a Shell ocupa o terceiro lugar entre as maiores produtoras de petróleo do Brasil, atrás da Petrobras e da Statoil quando considerada a produção das áreas que opera. Quando considerada a parte que cabe nos consórcios, a Shell fica em quinto lugar, tendo Petrobras, Statoil, BG e Sinochem na sua frente.
O Parque das Conchas começou a produzir em 2009, atingindo pico de 90 mil barris por dia em 2010 mas hoje produz 35 mil barris de óleo equivalente/dia com o esgotamento dos reservatórios. Na fase 2, que começou a produzir ontem, a Shell conectou a plataforma FPSO Espírito Santo ao campo Argonauta O-Norte. Junto com os atuais sócios Petrobras (35%) e a indiana ONGC (15%), a companhia planeja a terceira fase, que prevê a conexão dos campos Massa e Argonauta O-Sul. O pico estimado ali é de 28 mil barris/dia quando essa fase tiver início. O Parque das Conchas não terá a Petrobras como sócia por muito tempo. A estatal vai vender sua participação e recebeu oferta de US$ 1,54 bilhão da chinesa Sinochem por seus 35%, mas os sócios vão exercer o direito de preferência assim que a operação for aprovada pelo Cade e a ANP.

O anúncio da Shell ontem de que produzirá 35 mil barris de petróleo por dia na segunda fase do desenvolvimento do Parque das Conchas, na Bacia de Campos, deixa implícito que ela poderá atingir um pico de 70 mil barris de óleo equivalente por dia produzidos no país no primeiro semestre de 2014. A Shell anunciou a extração do chamado "primeiro óleo" da segundo fase da exploração do conjunto de campos descobertos no bloco BC-10, que fica na parte capixaba da Bacia de Campos.

Operadora da área, a empresa não confirma volumes de produção. Informa que não é possível prever o ritmo de depleção natural da produção dos campos Abalone, Ostra e Argonauta, que integram a fase 1 do projeto. Produzindo hoje 42,68 mil barris de óleo equivalente por dia (39,7 mil barris exclusivos de petróleo) nas áreas que opera, a Shell ocupa o terceiro lugar entre as maiores produtoras de petróleo do Brasil, atrás da Petrobras e da Statoil quando considerada a produção das áreas que opera. Quando considerada a parte que cabe nos consórcios, a Shell fica em quinto lugar, tendo Petrobras, Statoil, BG e Sinochem na sua frente.

O Parque das Conchas começou a produzir em 2009, atingindo pico de 90 mil barris por dia em 2010 mas hoje produz 35 mil barris de óleo equivalente/dia com o esgotamento dos reservatórios. Na fase 2, que começou a produzir ontem, a Shell conectou a plataforma FPSO Espírito Santo ao campo Argonauta O-Norte. Junto com os atuais sócios Petrobras (35%) e a indiana ONGC (15%), a companhia planeja a terceira fase, que prevê a conexão dos campos Massa e Argonauta O-Sul. O pico estimado ali é de 28 mil barris/dia quando essa fase tiver início. O Parque das Conchas não terá a Petrobras como sócia por muito tempo. A estatal vai vender sua participação e recebeu oferta de US$ 1,54 bilhão da chinesa Sinochem por seus 35%, mas os sócios vão exercer o direito de preferência assim que a operação for aprovada pelo Cade e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar