acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pesquisa

Setor de manutenção deve investir cerca de R$ 145 bilhões em 2011

19/09/2011 | 14h08
A indústria da manutenção deverá movimentar mais de R$ 145 bilhões em 2011, segundo a pesquisa Mapa da Manutenção, realizada pela Associação Brasileira de Manutenção (Abraman). O investimento atual é 21% maior do que na última edição da enquete, quando as empresas revelaram um aporte de R$ 120 bilhões na área.
 
O crescimento está diretamente ligado ao aumento da produção e a investimentos para evitar paradas não programadas e acidentes ambientais. O levantamento foi realizado com as maiores empresas do país. Foram consultadas companhias dos setores de papel e celulose, petróleo e gás, siderúrgico, saneamento, metalúrgico, petroquímico, têxtil, energia, transporte e automotivo. A pesquisa completa será apresentada no 26º Congresso Brasileiro de Manutenção, que acontece entre os dias 19 e 23 de setembro em Curitiba, Paraná.

Do total de investimentos, as empresas deverão gastar, de acordo com a composição histórica dos custos de manutenção, 33% com material, 31% com pessoal próprio e 27% com serviços contratados. Já o turnover de pessoal nas empresas se manteve no mesmo patamar da última enquete, que foi de 3,26%, embora nas últimas edições esse índice apresentasse uma curva ascendente. “O indicador ficou estável depois que o setor passou a contratar diversos profissionais de empresas de prestação de serviço. As companhias contrataram pessoas especializadas e que já conheciam a função antes que esse trabalhador fosse levado para outra empresa”, explica João Ricardo Lafraia, presidente da Abraman.

Outro dado que foi bastante impactado pelo aquecimento do mercado de trabalho foi a relação entre pessoal contratado e o total de executantes da manutenção. Enquanto em 2009 a relação era de 40,15%, em 2011 caiu para 31,50%. Muitas empresas, principalmente do setor de petróleo e de energia, foram obrigadas por lei a contratar os profissionais das listas de reserva dos concursos públicos. Essa medida também causou impacto significativo no aumento do quadro de funcionários próprios.

Quando o tema é ativo físico, a pesquisa revela que, para 39% das companhias ouvidas, a idade média dos equipamentos e das instalações é de no máximo dez anos de utilização. Já 35,34% das empresas têm ativos entre 11 a 20 anos e apenas 25,56% das indústrias possuem máquinas e plantas com idade superior a 21 anos.

“É importante destacar que as empresas declararam na pesquisa um aumento da manutenção preditiva, permanecendo o nível da preventiva. Por essa razão, verificou-se um aumento na disponibilidade operacional dos equipamentos, dado que mede o valor médio do tempo em que os ativos físicos estiveram aptos para produzir, que ficou em 91,30%. Esse número está dentro dos padrões internacionais”, explica Lafraia.

A última edição também revela a tendência, que é percebida desde 2005, do crescimento do nível hierárquico da “Gerência de Manutenção. Isso significa ênfase na gestão e, por consequência, necessidade, cada vez maior, de pessoal especializado (conhecimento, capacidade e competência) na condução da gestão da manutenção nas companhias. A pesquisa mostra que 49,65% das empresas demandam por mão de obra com maior grau de especialização, além de exigir cada vez mais a capacitação do profissional de manutenção em mais de uma especialidade. “Esse dado cresceu 7% nos últimos dez anos, o que mostra a atenção e a relevância que as organizações estão atribuindo à manutenção”, conclui Lafraia.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar