acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Se Belo Monte não cumprir prazo para entrar em operação, prejuízo pode chegar a R$ 116 bi

07/12/2010 | 16h03
O presidente do consórcio Norte Energia, Carlos Nascimento, disse hoje (7) que, caso a Hidrelétrica de Belo Monte (PA) não entre em operação na data prevista, os prejuízos poderão chegar a R$ 116 bilhões. Segundo Nascimento, todas as demandas dos órgãos ambientais envolvidos na construção da usina têm buscado soluções para que a construção seja iniciada.


“Temos respondido a todas as demandas e estamos procurando, em todas as reuniões com os órgãos ambientais, levar os problemas e procurar soluções”, afirmou o executivo na reunião da subcomissão temporária do Senado destinada a acompanhar a execução das obras de Belo Monte. A previsão é que a instalação do canteiro de obras da usina se dê no inicio de 2011.


O coordenador de Energia Hidrelétrica e Transposições do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Thomaz Miazak de Toledo, informou que ainda faltam condicionantes para serem cumpridas, antes que seja concedida a licença de instalação da Hidrelétrica de Belo Monte.


De acordo com Toledo, ainda faltam a reforma de equipamentos de saúde e de educação e a implantação de redes de saneamento básico nos municípios atingidos pela usina.


O procurador-chefe da Procuradoria da República no Pará, Ubiratan Cazzeta, alertou para o fato de os impactos já estarem ocorrendo nos municípios atingidos pela construção da usina. “A simples instalação do canteiro de obras traz impactos. [Houve] impacto imobiliário em Altamira, que fez com que os imóveis triplicassem de preço”, exemplificou o procurador.


Ele voltou a dizer que o Ministério Público do Pará é contra a instalação da usina porque há processos em tramitação que podem fazer com que a obra seja paralisada. “Há pendências jurídicas que podem levar a ter de parar as obras ou realizar um estudo que deveria ser feito e não foi”, alertou ele.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar