acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Produção

Rússia diz que pode aumentar produção de petróleo para enfrentar déficit no mercado

13/07/2018 | 16h55

A Rússia e outros grandes produtores de petróleo podem elevar ainda mais a produção da commodity se problemas de suprimento atingirem o mercado global, disse o ministro de Energia da Rússia, Alexander Novak, nesta sexta-feira.

Os preços do petróleo subiram a máximas desde 2014 nas últimas semanas em meio à esperada queda nas exportações de petróleo do Irã neste ano devido à retomada das sanções dos EUA sobre o país, além do declínio na produção da Venezuela e problemas na oferta da Líbia, Canadá e Mar do Norte.

A Opep e outros produtores incluindo a Rússia responderam ao aperto no mercado com um alívio em seu acordo de corte de oferta em junho. O acordo, na prática, eleva a produção de petróleo combinada em 1 milhão de barris por dia (bpd), sendo a fatia da Rússia nesse montante de 200 mil bpd.

"Se nós precisarmos de mais que 1 milhão de bpd, não descarto que nós possamos rapidamente discutir isso e tomar uma decisão rápida", disse Novak a jornalistas, adicionando que os principais produtores de petróleo podem se reunir e discutir a situação do mercado em uma teleconferência.

Ele disse também que a Rússia poderia elevar sua produção além desse nível de 200 mil bpd se houver necessidade.

A Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) disse na quinta-feira que já há sinais "muito bem vindos" de que a produção dos principais produtores tem sido elevada e pode alcançar um recorde.

Novak disse que os maiores preços do petróleo neste ano devem adicionar 2,5 trilhões de rublos (40,14 bilhões de dólares) aos cofres públicos russos em 2018.

O ministro também afirmou que a guerra de tarifas entre Estados Unidos e China tem impacto negativo sobre a economia global e aumenta a volatilidade dos preços do petróleo.



Fonte: Reuters, 13/07/2018
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar