acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Sobena 2008

Rio sedia o 22º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

13/10/2008 | 15h00

Em cerimônia realizada na manhã de hoje no edifício-sede da Firjan, no Rio de Janeiro, foi aberto o 22º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore, uma promoção da Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (Sobena). Paralelamente acontecem até sexta-feira, no mesmo local a Exponaval 2008 e o 5º Encontro Nacional dos Estudantes de Engenharia Naval.


 
Na versão 2008 do evento, os organizadores prestaram uma homenagem ao presidente da Transpetro, Sérgio Machado, reconhecendo seu empenho à frente da subsidiária da Petrobras para a recuperação, retomada e o desenvolvimento da indústria naval brasileira, através das encomendas de embarcações para o Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef), responsável, em 2005, pela licitação de 26 petroleiros junto a estaleiros nacionais e, agora, em sua segunda etapa, com um novo lote de 23 navios de médio e grande porte a ser licitado.

 

À mesa de abertura estavam o representante do Sinaval, Sérgio Leal; o representante do ministro extraordinário dos Portos, Clythio Buggenhout; o secretário estadual de Desenvolvimento, Energia, Indústria e Serviços, Julio Bueno; o diretor de Portos e Costas da Marinha Brasileira, vice-almirante Paulo José de Carvalho; o presidente da Transpetro, Sérgio Machado; o presidente da Sobena, Armando de Senna Bittencourt; o vice-presidente da Firjan, Raul Sanson; o pesquisador Segen Farid Estafen, dirator da Coppe-UFRJ; o diretor de Transportes Marítimos da Transpetro, Agenor César Junqueira Leite, e o vice-presidente do Syndarma, Roberto Galbi.

 

Um dos oradores da solenidade de abertura, o secretário Julio Bueno destacou que a crise econômica internacional tem implicações difíceis de serem analisadas no momento, mas lembrou que a natureza tem sido prodigiosa com o Brasil, e que além das grandes descobertas na chamada camada do pré-sal, existe um imenso potencial para a produção de combustíveis de fontes renováveis.

 

"A crise pode atrasar, mas não vai impedir que o desafio de construir navios e plataformas no país para explorar esta riqueza seja vencido pela indústria nacional", acentuou Bueno, acrescentando que o Rio é o epicentro da indústria naval e da indústria do petróleo no país, tendo o setor naval saído de uma condição quase falimentar para uma retomada que já rendeu 25 mil novos empregos. Bueno anunciou, ainda, a decisão do govero do Rio de Janeiro de promover a licitação de uma área de 1 milhão e 500 mil hectares em Itaguaí, para a construção de um grande estaleiro.

 

Ao agradecer a homenagem recebida, o presidente da Transpetro falou dos visionários dos anos 1950, que deram o primeiro grande impulso ao desenvolvimento industrial do país, e da criação da Petrobras, "empresa que é a cara do Brasil".

 

Sérgio Machado lembrou ainda da criação do Fundo de Marinha Mercante (FMM), e do fato de o país já ter ocupado a segunda posição na construção de navios em todo o mundo. Da mesma forma que Julio Bueno, o presidente da Transpetro acredita que o país está preparado para dar uma resposta à situação de insolvência mundial, e arriscou uma previsão bastante otimista: "É na crise que o pato novo decola."  

 

Após a abertura oficial do Congresso aconteceu a inauguração da Exponaval 2008, com um número recorde de expositores. Todo o evento tem patrocínio da Transpetro, do Fundo Setorial de Transporte Aquaviário e Construção Naval, do BNDES; da Firjan, Wilson Sons, Protubo, RBNA, e ainda o apoio da Diretoria de Portos e Costas da Marinha, ONIP, Sinaval, Coppe-UFRJ, USP, Ipen, IPT, Antaq e da Revista TN Petróleo, entre outros.    



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar