acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Biocombustíveis

Rio Grande do Sul terá usina de arroz para produzir etanol

11/01/2013 | 10h53

 

O projeto receberá R$ 720 milhões e será viabilizado por meio de uma parceria entre a empresa Vinema e produtores rurais ligados à Federarroz (Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul).
Do total investido, 30% será desembolsado pelos produtores. O restante deverá vir de financiamento.
Quando todas as refinarias estiverem em operação, elas demandarão até 20% do arroz produzido no estado.
O empreendimento está sendo desenvolvido há quatro anos e acabou fazendo parte de uma campanha dos produtores por um uso alternativo do grão para elevar seu preço.
"Em 2011, a saca chegou a R$ 17,quando o custo de produção era de R$ 30", diz o presidente da federação, Renato Rocha. Hoje, o valor é de cerca de R$ 35.
O etanol produzido nas refinarias será todo consumido no Rio Grande do Sul, que hoje importa o combustível de São Paulo, de Mato Grosso e do Paraná.
"Poderemos abastecer até 46% da demanda do estado. A capacidade de produção será de 600 milhões de litros por ano", diz o CEO da Vinema, Vilson Machado.
As obras da primeira usina, na cidade de Cristal, começam em abril e devem ser concluídas no final de 2014. A previsão é que os seis empreendimentos estejam em operação até 2020.

O projeto receberá R$ 720 milhões e será viabilizado por meio de uma parceria entre a empresa Vinema e produtores rurais ligados à Federarroz (Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul).


Do total investido, 30% será desembolsado pelos produtores. O restante deverá vir de financiamento.


Quando todas as refinarias estiverem em operação, elas demandarão até 20% do arroz produzido no estado.


O empreendimento está sendo desenvolvido há quatro anos e acabou fazendo parte de uma campanha dos produtores por um uso alternativo do grão para elevar seu preço.


"Em 2011, a saca chegou a R$ 17,quando o custo de produção era de R$ 30", diz o presidente da federação, Renato Rocha. Hoje, o valor é de cerca de R$ 35.


O etanol produzido nas refinarias será todo consumido no Rio Grande do Sul, que hoje importa o combustível de São Paulo, de Mato Grosso e do Paraná.


"Poderemos abastecer até 46% da demanda do estado. A capacidade de produção será de 600 milhões de litros por ano", diz o CEO da Vinema, Vilson Machado.


As obras da primeira usina, na cidade de Cristal, começam em abril e devem ser concluídas no final de 2014. A previsão é que os seis empreendimentos estejam em operação até 2020.

 



Fonte: Folha de São Paulo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar