acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Licitação

Rigotto pretende acelerar prospecção de petróleo e gás na Bacia de Pelotas

20/10/2005 | 00h00

O governador Germano Rigotto pedirá à Petrobras que acelere a prospecção de petróleo e de gás na Bacia de Pelotas. Embora os lotes ofertados não tenham atraído investidores no leilão de segunda-feira da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o governador afirmou ontem que a estatal tem interesse na região. `A Petrobras entende que as bacias de Pelotas e do Amazonas, com certeza, têm gás. Queremos que a empresa inicie as prospecções para descobrir gás, o que seria muito importante para o Estado`, declarou.

A reivindicação à Petrobras faz parte de um conjunto de temas da área de energia que Rigotto pretende discutir com o governo federal. Ontem, após reunião com o secretário de Energia, Minas e Comunicações, Valdir Andres, e com os presidentes das empresas coligadas à pasta, caso da CEEE, da Sulgás e da Companhia Riograndense de Mineração (CRM), o governador anunciou que pedirá uma audiência com o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, e com o presidente da Eletrobrás, Aloisio Vasconcelos, para tratar de assuntos de interesse do Rio Grande do Sul.

No segundo dia da sétima rodada de licitações da ANP, gigantes mundiais do setor petrolífero gastaram mais de R$ 500 milhões para arrematar as áreas ofertadas na Bacia de Santos. A agência encerrou ontem a primeira fase do leilão, licitando áreas com risco exploratório e obtendo uma arrecadação recorde que já ultrapassou R$ 1 bilhão em dois dias. Hoje, o leilão será focado em campos produtores abandonados pela Petrobras, oferecidos a pequenas empresas sem capacidade financeira ou técnica para assumir riscos de novas reservas. Nos dois primeiros dias, a Bacia de Santos teve 19 blocos arrematados e arrecadação superior à de qualquer outra região. No litoral paulista, a estatal brasileira teve de dividir os negócios com concorrentes de peso, como as britânicas BG e Shell e a espanhola Repsol.



Fonte: Correio do Povo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar