acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás

Reservas brasileiras de gás não convencional podem superar as do pré-sal

15/04/2013 | 17h53

 

As reservas brasileiras de gás não convencional podem ser maiores do que os volumes das reservas de gás natural existentes nos campos do pré-sal da Bacia de Santos. A possibilidade foi admitida nesta segunda-feira (15) pela diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, ao falar para um grupo de empresários sobre a rodada de licitação que a agência reguladora vai realizar em outubro envolvendo apenas blocos com potencial para exploração de gás.
O gás não convencional é extraído de rochas, como o xisto Ao expor dados fornecidos pela Energy Information Administration (EIA), do Departamento de Energia do governo dos Estados Unidos, Magda levou em conta exercício que aponta para a equivalência de 30 trilhões de pés cúbico (tcf) de gás para 1.196 quilômetros cúbicos de rocha. A partir do estudo, a ANP correlacionou as estimativas levando em conta a possibilidade da existência de 64 tcf na Bacia do Parnaíba, 124 tcf na dos Parecis, 20 tcf na do Recôncavo; além de 80 tcf na Bacia do São Francisco. Cada unidade de tcf equivale a 30 bilhões de metros cúbicos de gás.
A diretora-geral teve o cuidado, porém, de ressaltar que as perspectivas se baseiam apenas em estimativas preliminares, porque não há estudos detalhados sobre o assunto. “Trata-se apenas de um exercício”, disse.
Com base na iniciativa da OGX, que construiu um complexo termelétrico no Maranhão para aproveitar os 3,5 milhões de metros cúbicos diários de gás natural que a empresa vem produzindo na Bacia Pará-Maranhão, a diretora-geral da ANP disse que a agência vai disponibilizar na rodada de gás as localizações das linhas de transmissão, de modo a que a experiência possa vir a ser seguida por outros produtores.
“Na 12ª Rodada, a ANP vai indicar para os investidores o trajeto das linhas de transmissão existentes, de modo a que, se necessário, a experiência possa ser seguida. Essa é uma orientação da própria presidenta [Dilma Rousseff]. E nós estamos aplaudindo a iniciativa da OGX”, disse.
As declarações da diretora Magda Chambriard foram dadas no Copacabana Palace, zona sul do Rio de Janeiro, em evento organizado pelo Lide-Rio – Grupo de Líderes Empresariais, com o objetivo de discutir a 11ª Rodada de Licitação e o pré-sal.

As reservas brasileiras de gás não convencional podem ser maiores do que os volumes das reservas de gás natural existentes nos campos do pré-sal da Bacia de Santos. A possibilidade foi admitida nesta segunda-feira (15) pela diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, ao falar para um grupo de empresários sobre a rodada de licitação que a agência reguladora vai realizar em outubro envolvendo apenas blocos com potencial para exploração de gás.


O gás não convencional é extraído de rochas, como o xisto. Ao expor dados fornecidos pela Energy Information Administration (EIA), do Departamento de Energia do governo dos Estados Unidos, Magda levou em conta exercício que aponta para a equivalência de 30 trilhões de pés cúbico (tcf) de gás para 1.196 quilômetros cúbicos de rocha. A partir do estudo, a ANP correlacionou as estimativas levando em conta a possibilidade da existência de 64 tcf na Bacia do Parnaíba, 124 tcf na dos Parecis, 20 tcf na do Recôncavo; além de 80 tcf na Bacia do São Francisco. Cada unidade de tcf equivale a 30 bilhões de metros cúbicos de gás.


A diretora-geral teve o cuidado, porém, de ressaltar que as perspectivas se baseiam apenas em estimativas preliminares, porque não há estudos detalhados sobre o assunto. “Trata-se apenas de um exercício”, disse.


Com base na iniciativa da OGX, que construiu um complexo termelétrico no Maranhão para aproveitar os 3,5 milhões de metros cúbicos diários de gás natural que a empresa vem produzindo na Bacia Pará-Maranhão, a diretora-geral da ANP disse que a agência vai disponibilizar na rodada de gás as localizações das linhas de transmissão, de modo a que a experiência possa vir a ser seguida por outros produtores.


“Na 12ª Rodada, a ANP vai indicar para os investidores o trajeto das linhas de transmissão existentes, de modo a que, se necessário, a experiência possa ser seguida. Essa é uma orientação da própria presidenta [Dilma Rousseff]. E nós estamos aplaudindo a iniciativa da OGX”, disse.


As declarações da diretora Magda Chambriard foram dadas no Copacabana Palace, zona sul do Rio de Janeiro, em evento organizado pelo Lide-Rio – Grupo de Líderes Empresariais, com o objetivo de discutir a 11ª Rodada de Licitação e o pré-sal.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar