acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Operação Lava-Jato

Renato Duque continua preso

31/05/2017 | 10h23

Seguindo entendimento da Procuradoria-Geral da República (PGR), a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve, nesta terça-feira (30), a prisão do ex-diretor da Petrobras Renato de Souza Duque. A decisão unânime foi no pedido de extensão dos efeitos do deferimento do HC 137728 em favor de José Dirceu. Duque foi preso por determinação da 13ª Vara Federal de Curitiba, a pedido do Ministério Público Federal no Paraná, no contexto da Operação Lava-Jato.

Os ministros seguiram o voto do relator Dias Toffoli, e indeferiram a parte conhecida do pedido por entenderem que as situações dos dois casos são diferentes, o que não viabiliza a aplicação da extensão.

Em parecer enviado ao STF, a PGR destacou a inexistência de identidade ou similaridade relevante entre a prisão preventiva de José Dirceu e a prisão cautelar de Renato Duque. De acordo com o parecer, eles foram presos por diferentes motivos, com características exclusivamente pessoais, o que inviabiliza a aplicação do artigo 580 do Código de Processo Penal (extensão dos efeitos do deferimento do HC de outro réu) ao caso concreto.

Outros pedidos - No mesmo julgamento, também por votação unânime, a Turma não conheceu os pedidos de extensão dos efeitos do deferimento do HC 137728 propostos por Flávio Henrique de Oliveira Macedo e Eduardo Aparecido Meira, sócios da construtora Credencial. Os ministros destacaram a existência de recursos dos dois empresários pendentes de julgamento, o que levou ao não conhecimento do pedido de extensão.

Nova presidência – Durante a sessão, o ministro Edson Fachin foi eleito presidente da 2ª Turma para o período de um ano, a partir da próxima sessão, no dia 6 de junho. O subprocurador-geral da República Edson Oliveira saudou o novo presidente desejando sucesso e “uma profícua gestão”, destacando a serenidade de sua atuação. Edson Oliveira também cumprimentou o ministro Gilmar Mendes por sua atuação à frente da 2ª Turma no último ano.



Fonte: Redação/Assessoria MPF
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar